NOTÍCIAS

Obama pede aos americanos que deem uma 'chance' e 'tempo' para Trump

14/11/2016 20:37 BRST | Atualizado 14/11/2016 20:37 BRST
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
Mark Wilson via Getty Images
WASHINGTON, DC - NOVEMBER 14: US President Barack Obama speaks to the media during a news conference in the Brady Briefing Room at the White House, November 14, 2016 in Washington, DC. Later today President Obama will depart for his final foreign trip to Athens, Berlin, and Lima, Peru. (Photo by Mark Wilson/Getty Images)

Nos últimos meses de governo, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama fez sua primeira conferência de imprensa após a vitória de Donald Trump nas eleições americanas. Obama disse que o republicano precisa mandar "sinais de união"para os americanos após a campanha.

"Depois de uma campanha feroz é muito importante que ele mande sinais para as minorias, para as mulheres e outros que estão preocupados com o futuro do País", disse Obama.

Diferente de semanas anteriores, onde Obama atacou frequentemente Trump, o presidente americano preferiu manter um tom mais conciliador no seu discurso. Sobre a preocupação de que o republicano faça os Estados Unidos perder a influência internacional, Obama disse que Donald Trump é "capaz de manter as alianças internacionais" no status de "um país indispensável". "Se eu me preocupo?", disse. "É claro", complementou.

O presidente também fez referência ao encontro que ele teve com o seu sucessor e disse que foi uma "conversa sincera". Eu não acho que ele é ideológico, mas sim pragmático", disse. "Eu penso que é importante para nós deixar ele fazer suas escolhas. Os americanos podem julgá-lo nos próximos quatro anos se eles não gostarem do que veem", afirmou.

O democrata foi diversas vezes pressionado a comentar sobre o temperamento de Trump, tão criticado por Obama durante a disputa com Hillary Clinton. "Há certos elementos do seu temperamento que não se encaixam como presidente, ao menos que ele reconheça e corrija seus erros", apontou. "Mas eu acho que ele reconhece que ser presidente é diferente", completou.