NOTÍCIAS

Mulher é multada em R$ 111 mil por usar niqab na Itália

11/11/2016 16:01 BRST | Atualizado 11/11/2016 16:01 BRST
Dado Ruvic / Reuters
Indira Sinanovic, first Bosnian woman wearing a niqab to run in local elections in Bosnia, attends a pre-election rally with supporters in Zavidovici, Bosnia and Herzegovina, September 27, 2016. Picture taken September 27, 2016. REUTERS/Dado Ruvic

Uma mulher de origem albanesa foi condenada na Itália a quatro meses de prisão, convertidos em uma multa de 30 mil euros (R$ 111.300) , por se recusar a retirar o niqab, um tipo de vestimenta islâmica que deixa apenas os olhos à mostra.

A sentença foi estabelecida pelo juiz Alberto Rossi, da província de Pordenone, e se refere a um episódio ocorrido há 20 dias durante um evento para jovens no Conselho Comunal Local. Ela, que estava no lugar acompanhando seu filho, se recusou a tirar a vestimenta.

A mulher, de 40 anos de idade, foi solicitada a remover o niqab para que pudesse ser identificada na sessão do Conselho Comunal, prática exigida para controle de segurança no prédio público. Apesar dos pedidos do prefeito Antonio Di Bisceglie, do Partido Democrático (PD), para que a mulher retirasse o véu, a albanesa se recusou.

Segundo o jornal The Local, ela chegou a ser retirada da sessão, mas voltou para o local - a atividade, então, foi encerrada para evitar tumulto. O evento é uma prática mensal, que reúne 56 crianças com idades entre nove e 16 anos, que são eleitas em 16 escolas da região. Todo mês, o "Parlamento Jovem" debate assuntos ligados ao contexto local.

A pena inicial determinava a condenação da mulher a quatro meses de cadeia e ao pagamento de uma multa de 600 euros (R$ 2.200), mas foi revertida no pagamento da multa milionária.

A mulher vive desde o ano 2000 na cidade de San Vito al Tagliamento e, recentemente, adquiriu a cidadania italiana. Ela foi condenada com base na lei 152, de 1975, que disciplina o comportamento das pessoas em locais públicos nos quais é obrigatório o reconhecimento do rosto por razões de segurança.

(Com informações da Ansa)

LEIA TAMBÉM:

- 'Não julgo Trump', diz papa em entrevista

- Mulheres retomam vidas depois de dois anos sob o Estado Islâmico: ‘estamos livres'