NOTÍCIAS

Congresso do México rejeita proposta de legalizar casamento gay

10/11/2016 11:47 -02
Daniel Becerril / Reuters
A gay couple kisses each other as thousands of catholics and conservatives gather together against the legalization of gay marriage and to defend their interpretation of traditional family values in Monterrey City, Mexico September 10, 2016. REUTERS/Daniel Becerril

Um comitê da Câmara de Deputados do México recusou, na quarta-feira (9), a proposta do presidente Enrique Pena Nieto de legalizar o casamento gay em todo o o país.

De acordo com a Reuters, em maio, o presidente solicitou que o Congresso modificasse a Constituição do México para garantir o direito de todos os adultos em se casarem sem restrições baseadas em gênero, opção sexual ou outras razões.

A medida, no entanto, foi recusada pela Câmara por 19 votos contra, oito a favor e uma abstenção. Em um comunicado, a instituição afirmou que considera o assunto "total e definitivamente concluído".

A rejeição representa ainda mais notícias negativas para o presidente Pena Nieto, que luta contra o descontentamento popular, uma economia lenta, a violência decorrente do tráfico de drogas e, agora, a eleição de Donald Trump como presidente americano.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é permitido na Cidade do México, assim como em vários outros estados, incluindo Coahuila, Quintana Roo, Jalisco, Nayarit, Chihuahua e Sonora. A intenção do mandatário era, no entanto, aplicar o direito a todos os mexicanos - hoje em dia, o casamento gay é legalizado em 10 entre 31 estados mexicanos.

No ano passado, a Suprema Corte do país disse que a proibição do casamento gay é inconstitucional, e pediu que os estados que ainda não modificaram sua legislatura, o façam.

Em setembro, milhares de mexicanos marcharam em um protesto - apoiado pelo papa Francisco - contra o casamento gay. O México é considerado um país conservador, com uma grande população católica.

LEIA MAIS:

- Os EUA já podem ser orgulhar da eleição de sua primeira governadora LGBT

- Por que Donald Trump abriu a bandeira LGBT de cabeça para baixo

- Inclusão: Bancos permitem que clientes utilizem o nome social em cartões de crédito