VIRAL

Redação do Enem propõe refletir sobre intolerância religiosa

06/11/2016 16:12 -02 | Atualizado 06/11/2016 16:12 -02
Mario Tama via Getty Images
ITABORAI, BRAZIL - JANUARY 24: Worshippers gather during a Candomble ceremony on January 24, 2016 in Itaborai, Brazil. Candomble is an Afro-Brazilian religion whose practitioners sometimes fall into trances during ceremonies believing they have become possessed by gods, or orixas. The roots of the Candomble religion came to Brazil via African slaves and eventually incorporated some elements of Catholicism. Some believers have faced persecution in Brazil and ceremonies are often conducted privately. (Photo by Mario Tama/Getty Images)

Após abordar o feminismo na redação do ano passado, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 propôs refletir sobre a intolerância religiosa. Logo depois das provas deste domingo serem entregues, o Inep anunciou que o tema da redação deste ano é "Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil".

Neste domingo (6), os 8,4 milhões de estudantes têm 5 horas e meia para fazer provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, matemática e, é claro, a redação.

As redações precisam de cuidados especiais. Textos com sete linhas ou menos receberão nota zero e a estrutura deve ser dissertativo-argumentativa, ou seja, os candidatos precisam expor argumentos relacionados ao tema da redação de forma objetiva e coerente.

O tema remete à reflexão sobre o atual cenário brasileiro. Com a bancada evangélica na Câmara e representantes como Marco Feliciano, isenção fiscal para templos religiosos, regalias para pastores e bispos e, ao mesmo tempo, um retrocesso aos direitos humanos, como a legalização do aborto e direitos dos LGBTs, o Brasil hoje é palco de grande intolerância -- principalmente para as religiões "marginalizadas", como umbanda, candomblé e espiritismo, alvos de discriminação e crimes de ódio.

Um estudo do Disque 100 revelou que denúncias relacionadas à discriminação religiosa aumentou 70% no ano passado, chegando a 252 casos, o patamar mais elevado desde a criação do Disque Direitos Humanos, que lidera as queixas relacionadas às causas sociais.

O diálogo sobre a intolerância religiosa foi aplaudido nas redes sociais. Enquanto alguns ironizaram a reflexão do tema entre os defensores da "família tradicional brasileira", outros criticaram a intolerância dos usuários para com religiões que também são taxadas de preconceituosas, como as evangélicas.

Veja abaixo algumas reações sobre o tema da redação do Enem 2016:

LEIA MAIS:

- Comitê olímpico insiste em deixar umbanda e candomblé fora do centro ecumênico