NOTÍCIAS

Marcelo Crivella vence eleição e é o novo prefeito do Rio de Janeiro

30/10/2016 18:32 BRST | Atualizado 30/10/2016 18:32 BRST
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
YASUYOSHI CHIBA via Getty Images
Rio de Janeiro's mayoral candidate for the Brazilian Republican Party (PRB) Marcelo Crivella gestures after casting his vote at a polling station during the municipal election runoff in Rio de Janeiro, Brazil, on October 30, 2016. An evangelical mega-church bishop who once branded Catholics demons was expected to become mayor of Rio de Janeiro on Sunday in nationwide municipal elections confirming Brazil's shift to the right. / AFP / YASUYOSHI CHIBA (Photo credit should read YASUYOSHI CHIBA/AFP/Getty Images)

O senador Marcelo Crivella (PRB) venceu em segundo turno as eleições municipais de 2016 e é o novo prefeito do Rio de Janeiro. Com 92% das urnas apuradas, o senador havia recebido 59,16% dos votos válidos contra 40,84% do deputado estadual Marcelo Freixo (Psol).

A porcentagem de votos brancos chegava a 4,17%, nulos, 16,02%. Já a abstenção era de 26,91%.

A disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro foi acirrada. Nas pesquisas de intenção de voto, Freixo conseguiu diminuir a distância de Crivella. Denúncias contra o senador e a ausência do candidato em entrevistas para a TV e o rádio fizeram com que ele perdesse alguns pontos na última semana, mas não foram o suficiente para que o psolista emplacasse o cargo.

Após quatro tentativas frustradas, esta é a primeira vez que Crivella vence uma eleição majoritária. Ele já concorreu duas vezes à prefeitura e outras duas vezes ao governo do Estado.

Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella é sobrinho do fundador da igreja, Edir Macedo. Em 2007, o senador criou o programa Cimento Social, que ajuda a reformar casas em favelas do Rio de Janeiro.

Crivella comandou o Ministério da Pesca no primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. Durante sua gestão foram descobertos pagamentos ilegais de mais de R$ 19 milhões por meio do seguro-defeso.

LEIA MAIS:

- A 5 dias do 2º turno, Crivella foge de entrevistas na rádio e na TV

- Financial Times: Bancada evangélica conduz Brasil para a direita