NOTÍCIAS

Tragédia: 25 refugiados são encontrados mortos em barco no Mediterrâneo

26/10/2016 15:56 -02 | Atualizado 26/10/2016 15:56 -02
ASSOCIATED PRESS
Rescued people board the Bourbon Argos ship during a rescue operation coordinated by MSF (Medecins Sans Frontiers) in the Mediterranean Sea, Wednesday, Oct. 26, 2016. The U.N. refugee agency said Wednesday that the death toll for migrants in the Mediterranean has reached at least 3,800 this year so far, making 2016 the deadliest year on record. (Borja Ruiz Rodriguez/MSF via AP)

Vinte e cinco pessoas foram encontrados mortas em um bote de borracha no Mediterrâneo, informou nesta quarta-feira (25) o grupo Médicos Sem Fronteiras (MSF), à medida que número de mortes no mar devem superar o número do ano passado.

Membros de equipes de resgate encontraram migrantes, que aparentemente morreram sufocados após inalar combustível, a cerca de 40 quilômetros da costa da Líbia em uma embarcação lotada que também levava 107 sobreviventes, informou o MSF em comunicado.

Depois de resgatar os sobreviventes, as equipes retornaram à embarcação para resgatar o que pensavam ser 11 mortos.

"No fundo do barco encontramos 25 vítimas que possivelmente morreram ao inalar combustível. Elas estavam escondidas sob uma mistura de água do mar e combustível. Nós levamos três horas para recuperar 11 corpos, porque a mistura de petróleo e água era tão forte que nós não podíamos arriscar ficar no barco durante muito tempo. Foi horrível", narrou Michele Telaro, chefe da missão.

O MSF informou que suas equipes também salvaram 139 pessoas de outra embarcação na área, e a organização não-governamental Sea-Watch recuperou um corpo em operação separada.

Entre os sobreviventes, 23 estão em tratamento médico por conta de queimaduras causadas por substâncias químicas, 11 em estado grave - uma delas chegou a ser removida para a Itália em um helicóptero.

"Essa é uma tragédia, mas não podemos dizer que hoje é um dia excepcional no mar", afirmou Stefano Argenziano, gerente de operações migratórias do MSF. Ele ainda afirmou que, diante da crise política instaurada em torno dos refugiados que chegam à Europa, a organização se sente impotente para reduzir o número de mortes.

"De quantas tragédias como essa precisamos antes que os líderes da União Europeia mudem sua prioridade equivocada da dissuasão para o oferecimento de alternativas mais seguras?", indagou.

Mais de 3.740 imigrantes se afogaram tentando chegar à Europa até o momento neste ano, quase alcançando o número de mortos para todo o ano de 2015, quando três vezes mais pessoas navegaram pelos mares, de acordo com a agência de refugiados da Organização das Nações Unidas.

LEIA TAMBÉM:

- Crise dos Refugiados: Ano de 2016 deve ser recorde em número de mortes, diz ONU

- Cidade italiana desiste de receber 12 refugiadas após moradores construírem barricadas

- França começa a esvaziar campo de refugiados de Calais