NOTÍCIAS

Após 4 anos de alta, BC decide reduzir 0,25 ponto percentual e taxa básica de juros fica em 14%

19/10/2016 19:03 -02 | Atualizado 19/10/2016 19:03 -02
Abscent84 via Getty Images
income concept. businessman counting cash money, calculator, wallet with cash and coins, credit card, pen on blue background. Vector illustration in flat design

Após 24 elevações nos últimos quatro anos, a Selic (taxa básica de juros) teve sua primeira redução. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (19) reduzir 0,25 ponto percentual, passando a taxa para 14% ao ano.

A redução atendia às expectativas do mercado, que aposta na reversão das consecutivas altas para o ciclo de corte dos juros básicos da economia. Para economistas, o Copom deve continuar reduzindo a Selic até setembro de 2017, quando a taxa deverá estar por volta de 11% ao ano.

Apesar da queda, o Brasil continua com a taxa básica de juros mais alta entre 40 países. Uma pesquisa feita pelo economista da Infinity Asset Management, Jason Vieira, mostra que o juro real (descontada a inflação) brasileiro fica em torno de 8%, bem diferente do segundo lugar, a Rússia, que tem um juro real de 2,98% ao ano, e do terceiro, Indonésia, que tem juro em 2,38% ao ano. O Brasil está no topo da lista desde 2013.

Os juros são usados pelo Banco Central para controlar a inflação do País, uma vez que crédito caro freia o consumo e, portanto, segura a alta dos preços.

Em setembro, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) acumulado dos últimos 12 meses ficou em 8,48%, abaixo dos 8,97% relativos aos 12 meses anteriores. Apesar do pequeno alívio, a inflação ainda está alta e corrói o poder de compra da população.

Na ponta do lápis

Com a redução de 0,25 ponto percentual na Selic, os juros dos empréstimos, do cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e demais linhas de crédito ficaram levemente mais baratos.

De acordo com a Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), a redução da selic terá efeito pequeno nos juros do crédito ao consumidor, que teve a taxa média reduzida de 8,24% para 8,22% ao mês.

Algumas linhas de crédito, porém, continuam sendo uma armadilha para o consumidor. Os juros do rotativo do cartão de crédito (quando você não paga a fatura total do cartão) foram de 15,49% para 15,47% mensais. Isso significa que, se você utilizar o rotativo por um mês de uma fatura de R$ 3 mil, você vai pagar -- só de juros -- R$ 464,10.

LEIA MAIS:

- Como a taxa básica de juros a 14,25% impacta negativamente sua vida

- Com juros nas alturas, evite cultivar estes 11 péssimos hábitos com o cartão de crédito