NOTÍCIAS

ONU oficializa António Guterres como secretário-geral

13/10/2016 13:06 -03 | Atualizado 13/10/2016 13:06 -03
Rafael Marchante / Reuters
Nominated U.N. Secretary-General Antonio Guterres attends a news conference at Necessidades Palace in Lisbon, Portugal October 6, 2016. REUTERS/Rafael Marchante/File photo

O ex-ministro português António Guterres tornou-se oficialmente nesta quinta-feira (13) o nono secretário-geral da história da Organização das Nações Unidas (ONU).

A Assembleia Geral ratificou por aclamação a indicação do ex-chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), eleito pelo Conselho de Segurança como sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon.

Com mandato até dezembro de 2021, Antonio Guterres assumirá o cargo no dia primeiro de janeiro de 2017 e liderará a ONU num momento desafiador, repleto de confrontos nacionais e internacionais, além da crescente tensão entre a Rússia e o Ocidente e a crise migratória na Europa.

Guterres foi primeiro-ministro de Portugal de 1995 a 2002 e serviu ao ACNUR de 2005 a 2015.

"Tenho duas palavras para descrever o que estou sentindo agora: gratidão e humildade", disse Guterres em um comunicado curto em Lisboa, que ele repetiu em várias línguas quando foi nomeado pelo Conselho de Segurança - a última etapa, quando o nome é ratificado pela Assembleia Geral, tem função mais protocolar.

"Humildade (é o que sinto) em relação aos desafios enormes à nossa frente, à complexidade terrível do mundo moderno. Mas também é humildade o que se exige para servir aos mais vulneráveis, às vítimas de conflitos, do terrorismo, das violações de direitos humanos, da pobreza e das injustiças do mundo", afirmou.

Ban, falando durante uma visita a Roma, descreveu Guterres como uma "super escolha" como sucessor.

"Tenho certeza de que ele irá conduzir a tocha da amplitude total dos desafios centrais, do fortalecimento das operações de paz à conquista do desenvolvimento sustentável, exaltando os direitos humanos e suavizando o sofrimento humanitário", disse Ban aos repórteres.

LEIA MAIS:

- Depois de indicar português ao posto de líder, ONU pode eleger uma mulher como vice-secretária

- Brasil, direitos humanos, e a crise internacional de refugiados e migrantes

- Temer na ONU: Brasil vai modernizar leis migratórias para acolher refugiados