MULHERES

É racismo, sim: Marca de beleza é obrigada a mudar nome de produto para pele negra

27/09/2016 10:31 -03 | Atualizado 27/09/2016 10:31 -03
Reprodução

Em tempos de ativismo digital, as marcas precisam estar bem atentas ao tipo de mensagem que desejam passar a seus consumidores.

Nos últimos meses, a famosa label de maquiagem ColourPop não foi feliz nessa questão e sofreu com uma bem posicionada resposta das redes sociais.

Em junho, a marca lançou uma nova linha de bastões de contorno com 12 cores diferentes.

Os produtos de tons mais escuros receberam nomes que foram identificados pelas consumidoras como pejorativos - e que soavam basicamente racistas: 'Yikes' (uma gíria em inglês que pode ser equivalente ao nosso 'caramba!'), 'dume' (algo como 'burro', em referência a pessoas que não conseguem mandar mensagens de texto sem erros simples) e 'typo' (erro de digitação, em português).

Não demorou para as consumidoras da marca repercutirem na internet os nomes dados aos produtos, e compararem com aqueles dados aos bastões de cores mais claras (Gummy Bear, Castle e Dove, por exemplo) – que não tinham conotação ofensiva.

“Se você não vê nada de errado com os nomes dos tons mais escuros da Colourpop, deixe de me seguir.”

Diante da repercussão negativa, ColourPop liberou um comunicado ao Buzzfeed pedindo desculpas às consumidores e agradecendo o feedback.

"Nós tomamos ações imediatas para mudar o nome das cores e rever o nosso processo de nomenclatura de produtos para garantir que isso não aconteça novamente."

Agora, os mesmos produtos que tinham sido batizados com nomes negativos estão disponíveis no site da marca com novos títulos: Bloom (florescer), Point Dume (um ponto turístico conhecido em Malibu) e Platonic (platônico).

E viva o ativismo digital! ;)