NOTÍCIAS

Doria diz que vai devolver área invadida em Campos do Jordão: 'Estou agindo de forma correta'

23/09/2016 15:28 BRT | Atualizado 23/09/2016 15:28 BRT
AFP via Getty Images
João Dória Junior, the host of the television reality show at APRENDIZ 2010 (Brazil), Columnist at Isto É Dinheiro Magazine and President at LIDE, Corporate Leaders Group, poses on October 21, 2009 in Sao Paulo. Joao Doria Jr. is a journalist and advertising executive, founder and president of the Group Doria Associados, a small television production company in 1994. He is also founder and coordinator of LIDE, Corporate Leaders Group, that gathers the 700 most important Brazilian companies, which represents together 44% of Brazilian�s PIB. AFP PHOTO/JOSÉ LUIS DA CONCEIÇÃO/AGENCIA ESTADO (Photo credit should read JOSE LUIS DA CONCEICAO/AFP/Getty Images)

O empresário João Doria, candidato a prefeito da cidade de São Paulo pelo PSDB, terá de devolver uma área pública que ele anexou em sua propriedade de lazer, localizada no município de Campos do Jordão. A Justiça determinou nesta sexta-feira (23) a reintegração de posse imediata do terreno de 365 metros quadrados.

Doria, que declarou ter um patrimônio de R$ 180 milhões, diz que pagou R$ 76 mil pela área em 2012. A Justiça, porém, não reconhece a validação da compra e exigiu a reintegração de posse, segundo o jornal O Globo.

A disputa judicial se arrastou por 12 anos e, mesmo depois da Justiça decidir que a área teria de ser devolvida à cidade, em 2009, até hoje ela continua na propriedade de 16 mil metros quadrados do empresário. A área é uma antiga viela sanitária e foi incorporada à propriedade de Doria na década de 1990.

O tema foi abordado no debate entre os candidatos à Prefeitura de SP, realizado nesta tarde pelo SBT, Folha e UOL. Questionado sobre o terreno pela também candidata Luiza Erundina (PSOL), Doria desconversou, dizendo que não era o momento adequado para falar sobre isso.

Depois, ele afirmou que cumprirá a decisão da Justiça e que irá entregar a área ao município. "Atendo e sou obediente à lei. Já mandei devolver o terreno. Estou agindo de forma correta."

Após o debate, Doria falou com jornalistas sobre a invasão do terreno. "Foi determinado que houvesse essa devolução. Nós fizemos uma negociação proposta pela prefeitura na gestão anterior, não foi nessa gestão, de uma área lindeira ao nosso terreno. (...) Eu aceitei a proposta", explicou.

"Houve um avaliador nomeado pela prefeitura, esse avaliador avaliou, na época, a área de 365 metros, minha propriedade tem 16 mil metros, eu realmente não preciso disso. Ele avaliou em R$ 18 mil, a prefeitura solicitou que eu comprasse um equipamento gerador para o pronto-socorro municipal de Campos do Jordão, que eu comprei, com valor de R$ 55 mil, além de R$ 6 mil pela instalação. O juiz entendeu diferente, porque a prefeitura na gestão anterior cometeu uma falha, não validou isso na Câmara Municipal, o que deveria fazer. Eu entendo, sou respeitoso com a lei e ordem, então eu mesmo determinei, não foi a prefeitura. Mandei tirar o muro, reintegrar essa área da viela sanitária, ainda que não tenha nenhum uso e utilização, e a prefeitura pode verificar o que pode fazer. Mas já está devolvida."

O caso gerou desgaste político no candidato, que disse ser contra a invasão de área pública por sem-teto na cidade.

LEIA MAIS:

- Quero seguir o exemplo de Michael Bloomberg em SP, diz Doria

- Datafolha mostra empate triplo entre João Doria, Celso Russomanno e Marta Suplicy