MULHERES

Presidente do Chile, Michelle Bachelet, diz que impeachment foi 'mais fácil' pelo fato de Dilma Rousseff ser mulher

23/09/2016 11:30 BRT | Atualizado 23/09/2016 11:30 BRT
Agencia Makro/CON via Getty Images
SANTIAGO, CHILE - FEBRUARY 26: President of Chile Michelle Bachelet (L) meets with the President of Brazil Dilma Rousseff (R) at the entrance of La Moneda on February 26, 2016 in Santiago, Chile. (Photo by Sebastián Vivallo Oñate/Agencia Makro/LatinContent/Getty Images)

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, considera que o processo de impeachment de Dilma Rousseff foi mais fácil de ser realizado porque se tratou de uma mulher, e não de um homem. De acordo com a agência AFP, Bachelet desaprovou o afastamento da ex-presidente brasileira.

"Eu sou muito amiga de Dilma. Gosto dela e ligo pra ela", disse em conferência em um centro de estudos em Washington, na última quinta-feira (22). "A Constituição do Brasil permite [o impeachment], portanto temos de legalidade não posso dizer nada. Mas não gostei do que aconteceu, isso é tudo que posso dizer."

"Acredito que é mais fácil quando é uma mulher do que quando é um homem."

Bachelet comentou sobre a destituição de Rousseff durante uma rodada de perguntas de sua conferência sobre a participação das mulheres na política.

A presidente chilena também falou que Hillary Clinton, que pode se tornar a primeira mulher presidente dos Estados Unidos, enfrenta sexismo da mídia americana. Ela diz estar "mortificada" pelo modo como os veículos de imprensa tratam Hillary, segundo informou a agência DPA.

"Se você for mulher, te dizem que é fraca porque não grita ou fala palavrão, e algumas mulheres líderes se disfarçam de homens, mas é preciso respeitar a sua própria maneira de liderar".

LEIA MAIS:

- Em Nova York, Temer diz que Brasil vive 'estabilidade política extraordinária'

- Delegações da Venezuela e Equador deixam plenário da ONU antes de fala de Temer