NOTÍCIAS

Paris vai inaugurar primeiro campo para imigrantes até outubro

06/09/2016 15:54 BRT | Atualizado 06/09/2016 15:54 BRT
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
Jack Taylor via Getty Images
CALAIS, FRANCE - SEPTEMBER 06: A general view of make-shift shops and shelters by the Jungle Books Cafe at the Jungle migrant camp on September 6, 2016 in Calais, France. The drop-in cafe for children is still facing closure and is embroiled in a legal battle with the french authorities. The cafe is run by volunteers and provides safe haven for up to 700 children living in the camp. Children attend language classes, are given free food and the opportunity to charge their mobile telephones so they can contact relatives in their homelands. Last month a French court rejected a bid by Calais authorities to demolish the Jungle Cafe and other makeshift shops and restaurants but the decision may be facing an appeal. (Photo by Jack Taylor/Getty Images)

Paris irá abrigar cerca de um mil imigrantes em dois campos para lidar com o número crescente de homens, mulheres e crianças em fuga de guerras e da pobreza que estão desabrigados nas ruas da capital francesa, informou a prefeitura da cidade nesta terça-feira (6).

A construção dos dois campos em Paris acontece no momento em que o governo é pressionado a desmontar uma favela improvisada e apelidada de "selva" perto do porto de Calais [foto], cujos habitantes são acusados pelos moradores de aumentarem os crimes na região e prejudicarem a economia local.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, disse que um campo será destinado a homens e outro a mulheres e crianças vulneráveis, e que o primeiro será aberto em meados de outubro.

"Temos que criar novas maneiras de superar a situação. As coisas estão saturadas", disse Hidalgo em uma coletiva de imprensa. "Esses campos de imigrantes refletem nossos valores". 

Hidalgo afirmou que os campos serão temporários e que erguê-los custará 6,5 milhões de euros, dos quais as autoridades municipais de Paris irão arcar com 80 por cento.

Embora a França esteja sendo bem menos afetada pela crise imigratória europeia do que a vizinha Alemanha, milhares de postulantes a asilo usam o país como ponto de passagem na esperança de chegar ao Reino Unido.

Na segunda-feira, caminhoneiros, fazendeiros e empresários de Calais interromperam o tráfego na rodovia que leva à cidade portuária exigindo um prazo para o desmantelamento da "selva".

LEIA MAIS:

- Site da Amazon na Itália é alvo de críticas após venda de fantasia infantil de refugiados

- Paralimpíada: Atleta refugiado perdeu perna tentando ajudar amigo