NOTÍCIAS

'Nossos fantasmas se encontrarão nos livros de história', diz Cristovam Buarque a Lindbergh Farias

31/08/2016 09:33 -03 | Atualizado 31/08/2016 09:33 -03
Edilson Rodrigues/ Agência Senado

Considerado um dos votos decisivos a favor do impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) discursou na noite de terça-feira (30) no Senado e, ao final de sua fala, se dirigiu diretamente ao senador Lindbergh Farias (PT-RJ), um dos maiores defensores da permanência de Dilma no poder.

"Concluo com uma mensagem ao meu caro e querido Lindbergh, que foi um dos que mais cobrou aqui que nosso voto fosse dado pensando na história. Vou ficar com a marca de ter votado pela interrupção do mandato de uma Presidente e sei dos riscos disso. Ele vota pela continuidade de um Governo carregado de manchas, de problemas e, inclusive, na interpretação de muitos, de ilegalidades. Meu caro Lindbergh, nossos fantasmas se encontrarão nos livros de história, e eu espero estar do lado bom, junto com você."

Buarque, que foi ministro da Educação no governo de Luiz Inácio Lula da Silva e é ex-filiado do PT afirmou ainda que será julgado pela história, e que sua atitude rompe com velhas amizades.

Ainda de acordo com o discurso do senador, sua expectativa para "os próximos dois anos do Governo Temer" é de que o presidente interino "recupere a estabilidade monetária e o equilíbrio das finanças públicas; mantenha e fortaleça os bons programas sociais do governo Lula, do Governo Dilma e do governo Fernando Henrique; retome o diálogo com todas as forças nacionais; esteja sintonizado com a ânsia nacional pela moralidade na política, simbolizada na Lava Jato e na Lei da Ficha Limpa; inicie o longo processo de recuperação de nossa economia, mergulhada na recessão e no desemprego, para que cheguemos rápido às eleições gerais de 2018".

"Não estou mudando de lado, estou dando um passo à frente, estou avançando, com a consciência de que o avanço isola quem ousa e de que adiante pode haver abismos. Aos 73 anos quase, quando a maior parte das pessoas já se acomodou, eu tenho orgulho de avançar, mesmo sabendo dos riscos e dos erros que carrego."

LEIA MAIS:

- Após protesto contra Temer, número dois de Janot é exonerada

- Collor diz que impeachment de Dilma é 'remédio constitucional de urgência para presidencialismo'

- Acusação e defesa se emocionam em alegações finais do impeachment