NOTÍCIAS

Dilma Rousseff: 'Condenaram uma inocente e consumaram um golpe parlamentar'

31/08/2016 16:14 -03
EVARISTO SA via Getty Images
Brazil's former Dilma Rousseff speaks at the Alvorada presidential palace in Brasilia after she was stripped of the country's presidency in a Senate impeachment vote on August 31, 2016. Rousseff was stripped of the country's presidency Wednesday in a Senate impeachment vote ending 13 years of leftist rule in Latin America's biggest economy. Rousseff, 68, was convicted by 61 of the 81 senators of illegally manipulating the national budget. The vote, passing the needed two-thirds majority, meant she was immediately removed from office. / AFP / EVARISTO SA (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff prometeu luta. Após a confirmação do seu afastamento definitivo, Dilma disparou: "O golpe é contra o povo e contra a nação, o golpe é misógino, homofóbico e racista. Imposição da cultura da intolerância, do preconceito e da violência."

Para ela, os senadores tomaram uma decisão que entra para a história das grandes injustiças. "Os senadores que votaram pelo impeachment escolheram rasgar a Constituição. Condenaram uma inocente e consumaram um golpe parlamentar.”

A ex-presidente recorreu a sua biografia para dizer que este é o segundo golpe militar que ela enfrenta. “Um golpe parlamentar, disfarçado por uma farsa jurídica me derruba do cargo pelo qual eu fui eleita pelo povo.” O ato, segundo ela, foi conservador, reacionário e contou com apoio “de uma imprensa falaciosa”.

“Acabam de derrubar a primeira mulher eleita presidenta do Brasil, sem que haja qualquer justificativa constitucional.(…) O golpe va atingir indistintamente qualquer organização politica progressista e democrática. O golpe é contra o povo e contra a nação, o golpe é misógino, homofóbico e racista. Imposição da cultura da intolerância, do preconceito e da violência.”

Descrença e mágoa: péssimos conselheiros

Apesar do tom de embate, Dilma minimizou a ira:

“A descrença e a mágoa que nos atingem em momentos como esses são péssimas conselheiras. Não desistam da luta. Eles pensam que nos venceram, mas estão enganados. Todos nós vamos lutar. Haverá contra eles a mais firme e enérgica oposição que um governo golpista pode sofrer.

Proponho que lutemos todos juntos contra o retrocesso, contra a agenda conservadora, pela soberania nacional. Saio da presidência como entrei, sem ter incorrido em qualquer ato ilícito.

As futuras gerações de brasileiros saberão que a primeira vez que uma mulher assumiu a presidência, o machismo e a misoginia mostraram sua face."

Dilma encerrou o discurso com o trecho de um poema de Vladimir Maiakóvski:

"Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes? O mar da história é agitado. As ameaças e as guerras havemos de atravessá-las, rompê-las ao meio, cortando-as como uma quilha corta as ondas.”

Próximos passos

Após o discurso, a ex-presidente recebe senadores do PT e aliados no Palácio da Alvorada. A pauta é o resultado do impeachment e suas consequências. A previsão é que a petista deixe a Capital federal ainda nesta semana. Nesta quarta-feira (31), o advogado José Eduardo Cardozo entrará com uma ação no Supremo Tribunal Federal questionando a legalidade do processo.

LEIA TAMBÉM:

- Senado aprova impeachment por 61 votos a 20, e Dilma Rousseff não é mais presidente do Brasil

- Após impeachment, senadores decidem manter direitos políticos de Dilma Rousseff

- Michel Temer: De 'vice decorativo' a 43º presidente do Brasil