MULHERES

Escritora Marian Keyes, autora de 'Melancia', se emociona com fala feminista de fã na Bienal do Livro de São Paulo

29/08/2016 12:00 -03
David Levenson via Getty Images
OXFORD, ENGLAND - APRIL 10: Marian Keyes, bestselling Irish novelist, photographed at the FT Weekend Oxford Literary Festival on April 10, 2016 in Oxford, England. (Photo by David Levenson/Getty Images)

Quem não conhece o best-seller Melancia, da escritora irlandesa Marian Keyes? Ao menos se você não leu, já ouviu falar da história da saga de Claire Walsh ao ser abandonada pelo marido após o nascimento da filha.

Keys está no Brasil para a 24ª Bienal do livro de São Paulo deste ano para divulgar o lançamento de uma nova edição do livro pela editora Bertrand Brasil e também para lançar, Salva pelos bolos, com as receitas que a tiraram de um período sombrio em sua vida.

Em um bate-papo na tarde do último domingo (28), a escritora se emocionou com a declaração de uma fã.

De acordo com a Folha de S. Paulo, uma das fãs de Keyes disse uma frase singela, mas muito simbólica no que tange o feminismo em relação às obras da escritora:

"As mulheres precisam muito de você. Acho que todas nós olhamos diferente umas para as outras depois de ler seus livros"

Isso foi o suficiente para que os olhos de Marian se enchessem de água. Mais tarde, ela agradeceu a todos os que compareceram em seu Twitter:



Literatura para "mulherzinha"?

Um dia antes da Bienal, Marian deu uma entrevista ao jornal O Globo em que falou sobre como suas obras ajudam a salvar vidas:

"Escrevo principalmente sobre jovens mulheres, pós-feministas, que têm a vida completamente bagunçada. E faço isso de uma maneira direta, honesta e sincera, que é como falo normalmente. Acho que as pessoas sentem-se identificadas e confortáveis"

A escritora também é uma das críticas ao termo pejorativo "chick-lit" (literatura de mulherzinha, em tradução livre), que é usado por alguns críticos para diminuir o potencial intelectual de romances escritos por mulheres.

E aproveitou a oportunidade da mesa no domingo para falar sobre o assunto, segundo a Folha:

"É machista usar essa expressão [chick-lit]. Não me ofende pessoalmente, mas é machista sim. Tratam esses livros como se fossem menores por terem sido escritos por mulheres. Gostam de dizer que é uma bobagem"

Keys já foi traduzida para 33 línguas e vendeu mais de 30 milhões de livros no mundo. Só aqui no Brasil, Melancia vendeu cerca de 500 mil exemplares e mais de 12 livros da autora foram publicados por aqui. O mais recente, também publicado pela Bertrand Brasil é A mulher que roubou a minha vida.

LEIA MAIS:

- Onde estão as mulheres da literatura?

- O que eu aprendi sobre feminismo com a quadrinista Ulli Lust

- #LeiaMulheres: 23 livros escritos por mulheres que você precisa ler