NOTÍCIAS

Speedo anuncia fim do patrocínio a Ryan Lochte

22/08/2016 13:00 -03 | Atualizado 22/08/2016 13:00 -03
USA Today Sports / Reuters
Jun 28, 2016; Omaha, NE, USA; Ryan Lochte reacts after the men's freestyle 200m finals in the U.S. Olympic swimming team trials at CenturyLink Center. Mandatory Credit: Rob Schumacher-USA TODAY Sports

A Speedo, gigante de artigos para natação, anunciou nesta segunda-feira (22) que rompeu o contrato de patrocínio com o nadador Ryan Lochte, protagonista do caso de um "falso assalto" no Rio de Janeiro.

"A Speedo USA anuncia hoje a decisão de parar de patrocinar Ryan Lochte. Como parte dessa decisão, a empresa vai doar parte do patrocínio - US$ 50 mil - à organização Save the Children, para as crianças no Brasil".

A empresa afirmou ainda que a parceria de dez anos com o nadador foi repleta de sucessos, e que deseja que Lochte "siga em frente e aprenda com a experiência".

"Não podemos tolerar comportamentos que vão contra valores que esta marca representa há tempos", informou a marca em comunicado divulgado nesta segunda-feira.

O caso

Medalha de ouro no revezamento 4 x 200 m, Lochte estava acompanhado por três nadadores dos Estados Unidos que alegaram terem sido assaltados no trajeto entre o Club France, na zona sul do Rio, e a Vila Olímpica do Rio.

A versão acabou desmentida pelos próprios colegas do nadador. Posteriormente, vídeos mostram os atletas depredando o banheiro de um posto de gasolina na Barra da Tijuca e chegando na Vila dos Atletas horas depois do suposto assalto.

Em entrevista ao Jornal Nacional no sábado (20), o nadador disse que foi imaturo em suas atitudes, e pediu desculpas ao povo brasileiro. Antes disso ele havia divulgado um comunicado no qual se desculpava pelo incidente, mas não reconheceu que mentiu à polícia. O Comitê Olímpico dos EUA pediu desculpas pelo comportamento "inaceitável"dos atletas.

LEIA MAIS:

- Após toda confusão, nadador Ryan Lochte diz que 'exagerou': 'O Brasil não merece isso'

- Rio 2016 diz que americanos não precisam pedir desculpas por falso assalto