NOTÍCIAS

Justiça suspende multa imposta a nadador dos EUA a pedido do MP que quer punição maior

20/08/2016 15:30 -03 | Atualizado 20/08/2016 15:30 -03
Quinn Rooney via Getty Images
BARCELONA, SPAIN - JULY 31: James Feigen of the USA looks on after the Swimming Men's 100m Freestyle preliminaries heat nine on day twelve of the 15th FINA World Championships at Palau Sant Jordi on July 31, 2013 in Barcelona, Spain. (Photo by Quinn Rooney/Getty Images)

A Justiça acatou pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro e concedeu liminar que suspende a multa de 35 mil reais imposta pelo Juizado do Torcedor e Grandes Eventos ao nadador norte-americano James Feigen pelo crime de falsa comunicação de crime, informou o MP na madrugada deste sábado.

A argumentação é que a multa convertida de doações ao Instituto Reação, no Rio de Janeiro, foi aplicada sem a concordância do MP que havia proposto uma sanção mais alta, no valor de 150 mil reais.

Na decisão, o desembargador Sergio Nogueira de Azeredo mandou comunicar com urgência a delegacia de Polícia de Migração e a Delegacia Especial de Assuntos Internacionais.

“O Ministério Público entende que o valor de 35 mil reais não é suficiente, diante da gravidade e ampla repercussão negativa do crime praticado pelo nadador”, informou o MP em comunicado distribuído na madrugada deste sábado.

O nadador norte-americano deixou o Rio de Janeiro na noite de sexta-feira ao embarcar em um voo no aeroporto internacional do Rio após o pagamento da multa.

O MP alegou em seu pedido de liminar a Justiça que, segundo a lei e a jurisprudência pacífica dos tribunais, cabe tão somente ao Ministério Público formular os termos da proposta e, havendo discordância por parte do juiz, o processo deve ser encaminhado ao Procurador-Geral de Justiça, que dará a palavra final.

“Tal providência foi ignorada pelo Juizado que fixou o valor da multa sem que as negociações entre o Ministério Público e a defesa tivessem terminado", disse o comunicado.

Feigen e mais três nadadores norte-americanos, entre eles Ryan Lochte, um dos mais condecorados dos EUA, relataram um falso assalto no Rio de Janeiro no último fim de semana e o episódio teve repercussão internacional.

Lochte pediu desculpas à delegação dos EUA pelo seu comportamento e a conduta será investigada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) que criou uma comissão disciplinar para analisar a conduta dos nadadores.

LEIA MAIS:

- Ryan Lochte pede desculpas, fala em 'cuidado e franqueza', mas não reconhece mentira

- Comitê dos EUA pede desculpas por confusão com nadadores: 'Comportamento destes atletas não é aceitável'