MULHERES

Helen e Kate Richardson-Walsh, do hóquei britânico, podem ser o primeiro casal gay a ganhar ouro junto nas Olimpíadas

18/08/2016 19:04 BRT | Atualizado 18/08/2016 19:04 BRT
Suzanne Plunkett / Reuters
Great Britain's Helen Richardson (2nd L) and Kate Walsh celebrate winning against New Zealand at the women's bronze medal hockey match at the Riverbank Arena at the London 2012 Olympic Games August 10, 2012. REUTERS/Suzanne Plunkett (BRITAIN - Tags: SPORT OLYMPICS FIELD HOCKEY)

As britânicas Helen e Kate Richardson-Wals, de 34 e 36 anos, respectivamente, podem ser o primeiro casal de atletas fora do armário a vencer ouro nas Olimpíadas.

Representantes da ilha no hóquei, elas estão garantidas na final contra a Holanda na sexta-feira (19) – e compartilham uma bela história anterior ao sucesso na Rio 2016.

A photo posted by Kate Walsh (@katewalsh11gb) on


Colegas de equipe desde 2000, elas iniciaram um relacionamento oito anos depois, após Kate terminar o noivado com o líder da seleção de hóquei masculino britânico. O relacionamento terminou pouco antes de o casamento acontecer.

Em 2012, venceram bronze na Olimpíada em Londres. E, no ano seguinte, se casaram. Entre esse momento especial de quatro anos atrás e o de hoje, elas passaram por muita coisa – a Rio 2016 tem múltiplos significados para ambas.


Na Olimpíada anterior, Kate fraturou a mandíbula ao ser golpeada por uma adversária na partida contra o Japão. Ela conseguiu se recuperar a tempo de subir ao pódio e, à época, ficou marcada pelo episódio.

Neste ano, foi a vez de Helen tomar um susto. Ao cobrar um pênalti, sentiu dor na perna e teve que deixar o campo mancando. Sofrer com lesões com certeza não é algo novo para a atleta.

O período entre 2003 e 2005 foi complicado para Helen: ela fez várias cirurgias no tornozelo, o que resultou em um afastamento dos campos. Em 2014 e 2015, foi a vez de cuidar das costas. Helen fez cirurgias para tratar uma hérnia de disco e ficou receosa sobre não conseguir recuperar-se para a Rio 2016.

No entanto, ela se recuperou, retomou os treinos e, adequada para a responsabilidade, foi convocada para representar a Grã-Bretanha no evento novamente.

A photo posted by Kate Walsh (@katewalsh11gb) on


Boa sorte, Helen e Kate. Vocês significam muito para a comunidade LGBT e a representatividade no esporte.

LEIA MAIS:

- Martina Grael e Kahena Cruze ganham ouro na Vela

- Nadadores americanos mentiram sobre assalto, diz polícia

- As vaias a um atleta no pódio são uma vergonha nacional