MULHERES

Como uma imagem fora de contexto serviu para que o mundo inteiro julgasse uma mãe

17/08/2016 16:10 BRT | Atualizado 17/08/2016 16:10 BRT

A foto abaixo vem repercutindo nas redes sociais desde o dia 9 de agosto, quando o usuário LatinaGawd a tuitou com a seguinte frase "Quem deixa o bebê no chão desse jeito?” na imagem e a legenda: "Até pessoas brancas estão revoltadas".

Não é preciso muito para que as pessoas julguem uma mãe, e não foi diferente neste caso.

O tuíte teve mais de dois mil compartilhamentos e os olhares e comentários ao redor do mundo foram de julgamento e críticas severas à mãe -- que não teve sequer o direito de explicar o que se passava.

Pelo menos não até a última sexta-feira (12), quando o site de notícias norte-americano myAJC publicou uma entrevista com ela.

Seu nome é Molly Lensing e, de acordo com a reportagem, ela viajava sozinha com a filha de dois meses. Durante o percurso aconteceu uma série de desventuras, que Molly contou na reportagem.

O voo que ela esperava para voltar para Atlanta, no dia 9 de agosto, atrasou mais de seis horas e ela perdeu a conexão que faria. Dessa forma, Molly teve que esperar até meia-noite por outro voo, que acabou sendo cancelado.

Depois de um longo dia de contratempos, ela ainda ficou até as 4h30 da manhã tentando resolver a situação com a companhia aérea pelo telefone. No final, ela foi informada que não tinha mais vouchers para dormir em um hotel, portanto ela e o bebê tiveram que dormir no chão do aeroporto.

No dia 10 de agosto, pela manhã, seu voo foi reagendado para o dia seguinte e, cansada de esperar, ela trocou mensagens com os pais pelo celular, para que eles fossem buscá-las de carro.

Ou seja, ela estava dormindo com a criança no chão, mas acordou antes e sentou-se para tentar resolver o problema.

A companhia Delta Airlines se responsabilizou pelo ocorrido. A empresa, que tem sido criticada por falhas operacionais, sofreu uma falha no sistema de informática, que levou vários passageiros a enfrentar longas esperas. A história de Molly foi uma das mais simbólicas.

A jornalista Fabiana Futema, do blog maternar do jornal Folha de S.Paulo, escreveu sobre o assunto nesta terça-feira (16) e pediu mais empatia das pessoas antes de julgar a maternagem alheia:

"Será que ela mereceu todos os xingamentos que recebeu? Por que a pessoa que tirou a foto não perguntou a Molly se ela precisava de ajuda em vez de expor em seu Twitter uma mãe que ela não conhecia?

Quem já viajou sozinho com criança sabe o perrengue que é. A gente sente vontade de ir ao banheiro e não tem ninguém para ficar com eles. O jeito é levá-los juntos. Mas como fazemos lá dentro da cabine? Malabarismo, mágica, coisas do tipo. Ou confiamos no estranho do banco ao lado e pedimos uma ajuda? O que é menos pior? E quando bate a fome? Temos que equilibrar criança, carteira e bandeja ao mesmo tempo. Que tal julgar menos e ter mais empatia?"

LEIA MAIS:

- Foto de mãe amamentando filha prematura oferece esperança após trauma

- Mulher é indenizada em R$ 50 milhões após hospital não cumprir plano de parto

- Por que a escritora Chimamanda Ngozi Adichie teve um filho, mas ninguém ficou sabendo