NOTÍCIAS
17/08/2016 17:17 -03

Atletas refugiados são retratados em grafites no Porto Maravilha

refugiados

São dez atletas. Dez histórias de conquista, de desafios, de superação. De humanidade. Eles já tem um lugar garantido na história dos Jogos Olímpicos e agora estão também marcados nas ruas do Rio de Janeiro.

O time de refugiados desta Olimpíada foi homenageado com uma série de retratos em grafites realizados por dois artistas, Rodrigo Sini e Cety Soledade, na região do Porto Maravilha.

Sini é grafiteiro há 15 anos e dedica a sua obra como uma espécie de ferramenta que enaltece a representatividade ao retratar crianças negras. Em entrevista ao O Dia, ele compartilhou que se emocionou com o projeto.

“Sempre quis eternizar a expressão das crianças negras, pois lembra a minha infância. Junto disso, trabalho com a composição cheia de rabiscos. Por isso fui convidado para fazer esse trabalho. Para mim é uma honra, principalmente por saber que existe um grande apelo social. Cada história deles, de abandonar seu país, de ter largado tudo por causa da guerra, é emocionante”

Depois de um tempo sem pintar, essa é a minha primeira pintura do ano 2016# 3p!

Uma foto publicada por Rodrigo Sini Rodrigo Sini (@rodrigosinirodrigosini) em

Ele também contou que houve uma forte identificação com cada um dos refugiados em e entrevista a Agência Brasil.

“Para mim, eles são os verdadeiros campeões, pela garra, determinação e coragem que cada um teve para abandonar seus países devido à guerra e poder recomeçar em outros lugares.”

Para a coordenadora e curadora do GaleRio, Cristine Nicolay, o painel vai muito além da homenagem aos refugiados e quer deixar marcada a mensagem de que qualquer um pode conquistar o que se deseja.

“Seu objetivo é encorajar pessoas do mundo inteiro a correr atrás de seus sonhos. Para o GaleRio, não haveria instrumento mais inspirador do que a arte urbana para deixar um legado de regeneração em uma das áreas mais visitadas do Rio atualmente”.

A primeira delegação deste tipo a participar dos Jogos é composta por cinco atletas do Sudão do Sul (as corredoras Anjelina Nadai Lohalith e Rose Nathike Lokonyen, e os corredores James Nyang Chiengjiek, Paulo Amotun Lokoro e Yiech Pur Biel); pelos judocas Popole Misenga e Yolande Bukasa Mabika, do Congo; pelos nadadores Rami Anis e Yusra Mardini, da Síria; e o maratonista Yonas Kinde, da Etiópia.

Cores e arte no Porto Maravilha

O corredor artístico do Porto Maravilha foi inaugurado nesta quarta-feira (16) e é resultado do trabalho da GaleRio, plataforma de artistas urbanos que visa a inclusão socioeconômica e cultural.

A plataforma é uma iniciativa do órgão da prefeitura EixoRio que quer valorizar cada vez mais a cena urbana. Ao todo, são mais de dois mil metros de extensão de paredes coloridas entre os armazéns 7 e 8 do Porto em que as obras em grafite de 20 artistas cariocas de estilos diversos foram expostas.

Os artistas envolvidos se propuseram a revitalizar junto com Cristine uma área que estava esquecida e subutilizada, mas que agora revela memórias da cidade e é palco desta e outras homenagens.


Obrigado @eliasrmaio pela foto.

Uma foto publicada por Rodrigo Sini Rodrigo Sini (@rodrigosinirodrigosini) em

LEIA MAIS:

- Anjelina Nadai Lohalith, a refugiada que não vê os pais desde os 6 anos, mas eles são sua maior motivação para correr

- 'Não imaginava estar aqui'. Popole Misenga garante a primeira vitória dos refugiados e o amor do público

- Yusra Mardini, a refugiada que fugiu da Síria nadando. E agora vai nadar na Rio 2016