NOTÍCIAS

Facebook e Twitter ajudaram investigação de supostos militantes no Brasil; PF prende último procurado

25/07/2016 11:46 BRT | Atualizado 25/07/2016 11:46 BRT
EVARISTO SA via Getty Images
TOPSHOT - An alleged terrorist walks escorted by police at the Brazilian Federal Police hangar at the airport in Brasilia on July 21, 2016. Brazilian police have arrested 10 members of an 'amateur' would-be terrorist group that expressed loyalty to the Islamic State organization and was targeting the upcoming Olympics, officials said. / AFP / EVARISTO SA (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

O juiz que decretou as prisões de supostos militantes islâmicos no Brasil na semana passada revelou que Facebook e Twitter cooperaram com os investigadores ao fornecerem informações sobre o uso dos suspeitos de ambas as redes sociais.

Em entrevista exibida na noite de domingo no programa Fantástico, da TV Globo, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, afirmou que a colaboração das duas empresas, após uma ordem judicial relacionada à investigação, foi fundamental para se compreender a natureza das conversas realizadas pelos suspeitos, dos quais o 12º e último foragido foi detido também no domingo.

O juiz afirmou, sem entrar em detalhes, que as empresas forneceram dados relacionados ao conteúdo das conversas e dados sobre onde as conversas foram postadas.

Procurados, representantes do Facebook e do Twitter se recusaram a fornecer detalhes sobre o caso. Ambos os porta-vozes disseram que suas respectivas companhias têm tolerância zero com atividades relacionadas ao terrorismo e outros crimes, e que cooperam com autoridades da Justiça quando necessário.

De acordo com os investigadores da chamada operação Hashtag, os suspeitos têm simpatia pelo grupo militantes Estado Islâmico e trocaram mensagens por meio de aplicativos e da internet discutindo "atos preparatórios" para um possível ataque no Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos, que começam em 5 de agosto.

Na entrevista ao Fantástico, o juiz disse que não há anonimato para esse tipo de atividade na internet.

Também na noite de domingo, a Polícia Federal informou, por meio de nota, que o 12º suspeito procurado pelos investigadores foi preso. O homem, que foi detido em Mato Grosso, será interrogado e transferido, assim como os outros que estão sob custódia, para uma penitenciária federal.

LEIA MAIS:

- O que ninguém entendeu sobre a Operação Hashtag

- Prisão de 'terroristas' no Brasil: Cuidado com desinformação e conclusões precipitadas