NOTÍCIAS

Agente duplo: Renan queria Dilma... Mas agora torce por Temer

22/07/2016 12:39 BRT | Atualizado 22/07/2016 12:39 BRT
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
Antonio Cruz / Agência Brasil

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) tem dado cada vez mais demonstrações de apoio ao impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff. Em jantar na última terça-feira à noite com o presidente em exercício, Michel Temer e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Renan teria se mostrado “engajado” na saída definitiva da petista, de acordo com o jornal O Globo.

Segundo relatos, o presidente do Senado avaliou haver 60 votos contrários a Dilma, considerando que os senadores Romário (PSB-RJ), Cristovam Buarque (PPS-DF) e Otto Alencar (PSD-BA) teriam migrado de indecisos para pró-impeachment.

De olho no resultado final do afastamento da petista, que deve ser votado no final de agosto, o Planalto tem negociado cargos com senadores. Temer resiste a indicar o deputado Marx Beltrão (PMDB-AL) para o Ministério do Turismo, mas deu a Renan a prerrogativa de escolher quem comandará a pasta.

Beltrão é réu no Supremo Tribunal Federal por falsidade ideológica. Quando foi prefeito de Coruripe (AL), ele teria apresentado ao Ministério da Previdência Social comprovantes de repasse e recolhimento contendo informações falsas, segundo a denúncia. O deputado minimizou as acusações.

A aproximação de Temer e Renan tem como objetivo garantir o apoio à saída de Dilma e à tramitação de matérias de interesse do governo do peemedebista no Congresso.

De alas distintas do partido, os dois trocaram ofensas publicamente. Renan disse que medidas de Temer fariam “Ulysses tremer na cova”, em referência ao ex-deputado e líder do PMDB Ulysses Guimarães e acusou o então vice de se preocupar apenas com indicações para cargos no período em que estava à frente da articulação política do governo Dilma. Temer respondeu que o PMDB não tinha dono, “nem coronel”.

LEIA TAMBÉM

- Ciro Gomes: 'Esse governo (Temer) é um misto de incompetência com bandidagem'

- Pedalada de Dilma no BNDES não é crime, diz Ministério Público

- Dilma desiste de se defender na Comissão do Impeachment e manda Cardozo