NOTÍCIAS

ÍNDIA: Sobrevivente de estupro coletivo é abusada novamente pelos mesmos homens

18/07/2016 15:22 -03
Rupak De Chowdhuri / Reuters
People hold candles during a vigil to show solidarity with the nun who was raped during an armed assault on a convent school, in Kolkata March 16, 2015. Christians in India said on Monday that the Hindu nationalist government of Prime Minister Narendra Modi had not done enough to protect their religion, after a spate of attacks including the rape of the 75-year-old nun at the weekend. Christians prayed and held vigils across the country to protest against the rape during an armed assault on a convent school, the worst in a series of incidents that followers of the faith say are making them feel unwelcome in their own country. REUTERS/Rupak De Chowdhuri (INDIA - Tags: CRIME LAW RELIGION)

Uma jovem indiana, vítima de um estupro coletivo em 2013, foi novamente atacada por um grupo de homens, entre eles, aqueles que a atacaram há três anos.

Segundo o Guardian, a polícia do estado de Haryana faz buscas para localizar os cinco homens suspeitos de estuprarem a jovem de 21 anos. Ela pertence à casta dos Dalit, a mais baixa no país. Ela foi abordada quando estava a caminho da faculdade e estuprada dentro de um carro.

De acordo com a agência de notícias France Presse, ela foi encontrada inconsciente nas margens de uma estrada perto de Nova Déli na última quarta-feira (13).

"Ela identificou os cinco acusados, e dois deles estavam envolvidos no estupro coletivo da estudante no distrito de Bhiwandi em 2013", disse à agência o superintendente da polícia Pushpa Khatri.

Segundo a BBC, a família havia se mudado com medo das ameaças que havia sofrido apos o primeiro estupro - o caso ainda está sendo julgado, mas ninguém foi preso. De acordo com o Washington Post, os criminosos pertencem a castas superiores, o que pode dificultar sua punição.

Ainda de acordo com o jornal americano, os cinco homens queriam que a vítima retirasse a queixa, e propuseram pagar à família da jovem US$ 75 mil (R$ 244 mil) - uma pequena fortuna em um país onde a média de ganhos anuais é de cerca de US$ 1.500 (R$ 4.900). A oferta foi recusada.

Estatísticas mais recentes mostram que 36.735 estupros foram denunciados em 2014, ainda que ativistas afirmem que o número real de casos é bem maior, pois muitos crimes não são formalmente denunciados.