NOTÍCIAS

Novo presidente da Câmara dos Deputados elogia Eduardo Cunha e agradece a esquerda pela vitória

14/07/2016 10:45 BRT | Atualizado 14/07/2016 10:45 BRT
ANDRESSA ANHOLETE via Getty Images
The candidate to the presidency of Brazil's Lower House Rodrigo Maia, of the Democrats party (DEM), speaks before the plenary during the vote for the post, at the Congress in Brasilia on July 13, 2016. / AFP / ANDRESSA ANHOLETE (Photo credit should read ANDRESSA ANHOLETE/AFP/Getty Images)

Eleito na madrugada desta quinta-feira (13) para substituir Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) prometeu pacificar a Casa por meio do diálogo. Maia também elogiou seu antecessor, que foi afastado do cargo pelo STF e responde a processo de cassação na CCJ, e disse que a vitória não seria possível sem a ajuda da esquerda.

"Ajudei a eleger Cunha contra um candidato do PT. No plenário talvez ele tenha sido o melhor presidente que tivemos. Teve méritos. Não sou daqueles que só pisa", disse o novo líder da Câmara ao minimizar os gritos contra Cunha dentro do plenário após a votação.

Emocionado, Maia citou o pai, o ex-prefeito do Rio, César Maia, em seu discurso de vitória e agradeceu os deputados Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Orlando Silva, ao qual se referiu como um "grande amigo". "Foram eles que estiveram na minha casa há 40 dias e inventaram isso que era uma loucura", disse o novo presidente, que terminou o discurso dizendo que vai "governar com simplicidade, dialogar com a maioria e a minoria e pacificar a Casa".

Durante entrevista coletiva, o novo presidente ainda exaltou os aliados da esquerda. "Sem a esquerda não venceríamos essa eleição", afirmou.

O presidente interino Michel Temer vai receber o novo presidente da Câmara dos Deputados ao meio-dia desta quinta-feira (14), no Palácio do Planalto. Em seu Twitter, Temer parabenizou Maia logo após o resultado da votação.

Eleição

Candidato do Planalto, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados no início da madrugada desta quinta-feira (14). Por 285 votos a 170, Maia venceu o líder do PSD, deputado Rogério Rosso (DF) no segundo turno.

Maia liderou no primeiro turno com 120 votos, diante de 106 de Rosso. A eleição foi secreta, e era necessário conseguir maioria absoluta, 257 votos. Sob aplausos, ele defendeu a democratização do plenário, abrindo espaço para deputados, além dos líderes de partidos e bancadas.

Após o anúncio do resultado do primeiro turno, partidos como o PDT e o PCdoB, declararam apoio ao candidato do DEM, em um esforço para romper a gestão Cunha. Rosso era considerado o candidato mais próximo ao deputado afastado.

Poderes do presidente

Rodrigo Maia vai liderar os trabalhos da Casa até fevereiro de 2017. Isto significa que é ele quem comanda as reuniões de líderes, escolhe quais projetos serão votados em plenário, além de poder decidir se abre ou não processos de impeachment contra o mandatário do País.

O presidente da Casa é o segundo na linha sucessória. Ele assume a Presidência do País, em caso de ausência do presidente interino, Michel Temer.

Maia também assume um orçamento de R$ 5,2 bilhões. Além da administração dos recursos bilionários, o presidente também conta com seguranças particulares e pode morar na residência oficial, onde todas as despesas são custeadas pela Câmara dos Deputados.

LEIA MAIS:

- Com empurrão do Planalto, DEM retorna à presidência da Câmara após 13 anos

- Mais da metade dos candidatos à presidência da Câmara estão enrolados na Justiça