NOTÍCIAS

Depois do choro na renúncia, Cunha já planeja a vingança pelo whatsapp

09/07/2016 10:33 BRT | Atualizado 09/07/2016 10:33 BRT
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
ASSOCIATED PRESS
House Speaker Eduardo Cunha, who supports the impeachment of Brazil's President Dilma Rousseff, attends a debate on whether or not to impeachment her, in the Chamber of Deputies in Brasilia, Brazil, Friday, April 15, 2016. Solicitor General Jose Eduardo Cardozo alleges that Cunha is striking out at Rousseff for refusing to help him avoid an ethics probe into allegations he received millions in bribes from the sprawling corruption scheme in the Petrobras oil company. The crucial vote is slated for Sunday. (AP Photo/Eraldo Peres)

O deputado federal afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) caiu nas lágrimas na última quinta-feira quando renunciou ao cargo de presidente da Câmara. Dois dias depois, ele já comanda no whatsapp os grupos de conversa do seu partido para tentar influenciar na eleição de seu sucessor. Em troca de mensagens reveladas pelo O Globo, Cunha faz recomendações, traça cenários e alerta para o risco de o presidente interino Waldir Maranhão (PR-MA) criar um plano para o impeachment de Michel Temer.

Cunha defende que o PMDB não concorra novamente ao cargo da presidência da Câmara porque acredita que as chances são remotas. Ele defende um nome do centrão, grupo de partidos médios no qual ainda tem uma certa influência política. "Temos uma condição diferente hoje por termos o presidente da República. Difícil ter Senado, Câmara e presidência em um único partido", afirmou Cunha no whatsapp.

Os deputados chegaram a discutir no grupo de conversa do partido depois que Cunha enviou uma mensagem sobre as chances de Temer sofrer um "golpe" liderado por Maranhão, que quer acelerar o processo de impeachment contra o presidente interino.

Para Cunha, o único jeito de evitar esse risco seria marcar a eleição do novo presidente para o começo da próxima semana. "Marcar segunda não é ruim, porque obriga a resolver", disse. "Perde-se mais uma semana, a última, e dá margem ao golpe que querem fazer de aceitar o impeachment de Michel".

De acordo com a mensagem de Cunha, a saída para evitar a artimanha de Maranhão seria marcar a eleição do novo presidente já para o início da próxima semana. “Marcar segunda não é ruim, porque obriga a resolver”, escreveu Cunha, alertando os correligionários para o risco de retardar a data: “Perde-se mais uma semana, a última, e dá margem ao golpe que querem fazer de aceitar o impeachment de Michel”.

Nos últimos dois dias, Cunha está sendo isolado pelos seus "ex-amigos", que agora negam terem uma simpatia por ele. Participam do grupo, Beto Mansur, que defendeu a renúncia de Cunha, além de possível candidatos ao cargo da presidência, como Rogério Rosso (PSD-DF) e Carlos Manato (SD-ES) .

Os desafetos de Cunha dentro do PMDB criticam a articulação do ex-presidente para tentar influenciar a nova eleição. O Globo entrevistou um desses parlamentares, que classificou as mensaens como incabíveis. "É uma situação esdrúxula. Nosso ex-presidente faz um papel patético", afirmou.

LEIA TAMBÉM

- Dilma desiste de se defender na Comissão do Impeachment e manda Cardozo

- Em um dia vaquinha para viagens de Dilma ultrapassa 70% da meta

- Posto do 'Não fale em crise, trabalhe' faliu. Temer diz que com ele seria diferente...