NOTÍCIAS

Dilma desiste de se defender na Comissão do Impeachment e manda Cardozo

05/07/2016 17:08 -03 | Atualizado 05/07/2016 17:08 -03
Ueslei Marcelino / Reuters
Suspended Brazilian President Dilma Rousseff gestures during the launching ceremony of the book "Resistance to the 2016 Coup," written by professors from the University of Brasilia, in Brasilia, Brazil, May 30, 2016. REUTERS/Ueslei Marcelino

A presidente afastada, Dilma Rousseff, confirmou, por meio de sua conta no Twitter, que não irá participar de interrogatório na Comissão Especial do Impeachment.

No momento da votação em plenário, é prevista outra chance de a presidente ir ao Senado para fazer sua defesa.

Já era esperado que a presidente não participasse da sessão desta quarta-feira, embora a defesa não houvesse confirmado oficialmente sua ausência.

Na manhã desta terça-feira, 5, ao chegar à comissão, o presidente do colegiado, Raimundo Lira (PMDB-PB), explicou que, caso a presidente não participe da sessão, sua defesa não poderá responder a perguntas feitas pelos senadores. Caberá ao ex-advogado-geral da União José Eduardo Cardozo apenas a leitura de uma mensagem da presidente.

LEIA TAMBÉM:

- Cassação de Cunha já virou lenda. E ele agora pensa em renunciar à Presidência

- Aprovado por 13%, Temer não teme 'medidas impopulares'

- Destino de Bolsonaro após homenagem a torturador de Dilma pode cair no colo do PT