MUNDO

Será? Escócia pode impedir Brexit, diz primeira-ministra

27/06/2016 10:05 -03 | Atualizado 27/06/2016 10:05 -03
Clodagh Kilcoyne / Reuters
Scotland's First Minister Nicola Sturgeon arrives to vote in the EU referendum, at Broomhouse Community Hall in Glasgow, Scotland, Britain June 23, 2016. REUTERS/Clodagh Kilcoyne

Edimburgo pode vetar a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), declarou Nicola Sturgeon, a primeira-ministra da Escócia, em uma entrevista à BBC.

De acordo com a primeira-ministra, isso é possível porque, apesar de 51,9% dos cidadãos britânicos terem se manifestado a favor da saída da UE no referendo do dia 23 de junho, 62% dos escoceses votaram contra a ruptura das relações.

Sturgeon acrescentou que planeja iniciar nos próximos dias as negociações diretas com Bruxelas para defender os interesses da Escócia. No referendo do dia 23 de junho no Reino Unido, 51,9% dos eleitores se pronunciaram a favor de abandonar a União Europeia.

No entanto, tanto a Escócia (62%) como a Irlanda do Norte (55%) votaram a favor de permanecer no bloco europeu. No sábado (25), Sturgeon declarou que o governo da Escócia redigirá um projeto de lei para preparar um outro referendo sobre a independência.

Pesquisas

A maior parte dos escoceses não considera que deve haver um novo referendo de independência, indicou uma pesquisa no domingo (26).

A pesquisa do instituto Survation indicou que 44,7% dos entrevistados acham que a Escócia não deve realizar um segundo referendo de independência, enquanto 41,9% são a favor. Em setembro de 2014, a Escócia rejeitou a independência por 55% contra 45%.

A possibilidade de um segundo referendo foi levantada após o Reino Unido como um todo decidir deixar a União Europeia na semana passada, apesar de resultados mostrando que a grande maioria dos escoceses apoiava a permanência britânica no bloco.

Sturgeon disse que outro referendo é "muito provável" e que a Escócia deve fazer o que for preciso para permanecer na UE, incluindo provavelmente bloquear o processo legal da saída britânica.

A pesquisa com 1.002 pessoas, conduzida para os jornais Daily Record e Daily Mirror em 25 de junho, também indicou que apesar de não apoiarem a realização de outro referendo, se um fosse realizado imediatamente os escoceses iriam apoiar uma desfiliação britânica. A Survation informou que 47 por cento dos entrevistados são a favor da independência, e 41,2 por cento contra.