NOTÍCIAS

Turquia critica Papa por comentários sobre genocídio armênio

26/06/2016 14:34 -03 | Atualizado 26/06/2016 14:34 -03
TIZIANA FABI via Getty Images
Pope Francis attends the Divine Liturgy celebrated by Catholicos of All Armenians Karekin II (not pictured) at the Apostolic Cathedral in Etchmiadzin, outside Yerevan, on June 26, 2016. / AFP / TIZIANA FABI (Photo credit should read TIZIANA FABI/AFP/Getty Images)

As declarações do papa Francisco durante sua visita à Armênia, que definiu como "genocídio" o massacre dos armênios em 1915, foram classificadas pelo vice-premier da Turquia, Nurettin Canikli, como "lamentáveis". Ele disse ainda que a fala indica a persistência da "mentalidade das Cruzadas".

"Não é um ponto de vista objetivo, que corresponda com a realidade", acrescentou. "É possível observar todas as marcas e reflexões características da mentalidade das Cruzadas nas atividades do Papa", concluiu.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, respondeu dizendo que o Papa "não faz cruzadas". "Se escutarmos ele, veremos que não há nada que evoque um espírito de cruzada. Sua vontade é construir pontes, ao invés de muros. Sua intenção real é construir as bases para a paz e a reconciliação", disse, em coletiva de imprensa. "Francisco rezou pela reconciliação de todos, não pronunciou nenhuma palavra contra o povo turco", acrescentou o representante católico.

No primeiro dia de sua visita oficial à Armênia, na sexta-feira, Francisco não se intimidou em usar a palavra "genocídio" para se referir ao extermínio de armênios pelo Império Otomano há cerca de um século, mesmo sabendo que o vocábulo poderia desencadear um mal-estar diplomático com a Turquia, como já ocorreu no ano passado.

A Santa Sé não previa o termo "genocídio" nos discursos de Francisco, porém o líder católico não quis renunciar à palavra e a pronunciou em alto e bom som, na capital Erevan, dentro do Palácio Presidencial e diante das autoridades armênias. Além disso, o Pontífice visitou o Memorial do Genocídio, localizado em Tzitzernakaberd, no dia seguinte, onde disse que "a memória não deve ser diluída, nem esquecida".

Em declaração conjunta com o líder da Igreja Ortodoxa Armênia, o patriarca Karekin II, Francisco voltou ao tema neste domingo, dia 26, e disse que o "extermínio de 1,5 milhão de cristãos armênios" foi o "primeiro genocídio do século XX". O governo turco não reconhece o episódio histórico e não admite o uso do termo "genocídio". A Turquia nega que o massacre dos armênios durante a I Guerra Mundial se trate de um genocídio planejado e calcula que o número de vítimas seja bem menor, entre 250 e 500 mil.

LEIA MAIS:

- A pressão das igrejas varre o aborto para debaixo do tapete

- Papa Francisco quebra protocolo em cerimônia de lava-pés