VIRAL

É certo ser contra o churrasco de cachorro na China, mas comer outros animais?

23/06/2016 20:03 BRT | Atualizado 23/06/2016 20:03 BRT
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
AP Images for Human Society International
IMAGE DISTRIBUTED FOR HUMANE SOCIETY INTERNATIONAL - A dog in a small cage waits to be sold in Yulin Big Market on Sunday, June 21, 2015 in Yulin, China. The Yulin “dog meat festival” is underway around the summer solstice in China. Thousands of dogs, many of them stolen pets, were trucked in from around the country by traders wanting to profit. After suffering for days crammed into cages without food or water, the animals were butchered within sight of each other. Humane Society International, working with local activists, is making major inroads to stop the cruelty, and local authorities are feeling the pressure. Between large protests, international media coverage and well over one million petitioners calling to stop the killing, progress is being made. (AP Images for Human Society International)

Em todo mês de junho, na cidade chinesa de Yulin, na região de Guangxi, é realizado um festival anual de carne de cachorros – só na edição deste ano, mais de dez mil serão abatidos. O evento começou na última terça-feira (21) e tem duração de dez dias.

Como mostra recente reportagem da AFP, tem crescido o número de movimentações contra a prática. ONGs recolhem milhões de assinaturas em petições, ativistas dos direitos dos animais fazem resgates e celebridades já aderiram à campanhas pelo fim da prática.

A ONG The Animal Hope & Wellness Foundation disse no Facebook já ter resgatado mais de mil neste ano. E faz vídeos mostrando esses resgates:

Os atores Rooney Mara, Matt Damon e Joaquin Phoenix, entre outros, falam emocionados em campanha da mesma ONG – cuidado, há cenas fortes no vídeo abaixo:

Ativistas denunciam os "preparativos" da carne como cruéis. Eles são mantidos em gaiolas, sem alimentação ou água por dias. Também são espancados, abatidos um na frente dos outros e fervidos vivos, pois acredita-se que, quanto mais assustados, mais saborosa fica a carne.

Existe, inclusive, a suspeita de que alguns sejam roubados, pois são vistos com coleiras dentro das gaiolas. Além disso, há cães sendo transportados de outras cidades em condições anti-higiênicas e de extremo desconforto.

Mas você acha correto condenar o hábito chinês e conviver tranquilamente com as mortes em massa de vacas, bois, peixes, galinhas, porcos e tantos outros animais aqui no Ocidente?

O vídeo abaixo do AJ+ levanta a questão – cuidado com este também, pois há imagens fortes:

Há mais de 400 anos come-se carne de cachorro na China. Estamos diante de uma prática cultural do país. A lei chinesa não protege cachorros, assim como eles são vistos lá de forma dúbia: para alguns, eles são animais de estimação; para outros, comida.

Há sete anos, o Festival de Lichia e Carne de Cachorro comemora o solstício de verão comendo esses animais que nós tanto adoramos. Aproximadamente dez milhões de cães são abatidos por ano na indústria chinesa.

LEIA MAIS:

- Comer carne vermelha mata. E o veganismo pode salvar até 8 milhões de vidas

- 7 filmes para acreditar que sobram motivos para ser vegetariano

- Afinal... Planta sente dor?