NOTÍCIAS

6 presentes para FAZER BONITO na festa de aniversário do Suplicy

14/06/2016 17:51 -03 | Atualizado 14/06/2016 17:51 -03
Levi Bianco / Estadão Conteúdo

Eduardo Suplicy fez o convite:

E, a partir disso, surgiu um evento no Facebook, com milhares pessoas dispostas a passar na festa do ex-senador e ex-secretário dos Direitos Humanos de São Paulo.

Mas aí vem a dúvida: o que levar de presente?

Para ajudar na missão, aí vão algumas dicas:

1. Uma bombeta...

Cantam os Racionais:

Faz frio em São Paulo, pra mim tá sempre bom!

Eu tô na rua de bombeta e moleton!

Din-din-don, RAP é o som, que emana do Opala marrom!

Ainda não vimos Suplicy de bombeta (boné, para quem não está por dentro da gíria). Então, é um ótimo presente para completar o visual do ex-senador.


2. ... E um moletom

O clássico gif aí de cima mostra Suplicy curtindo um dos muitos shows que assistiu do grupo de rap do Capão Redondo. Como se vê, moletom - principalmente os com capuz - são sucesso. Falta um para Suplicy.

3. Vinil do Bob Dylan

No aniversário de 75 anos de Dylan, Suplicy e o filho João fizeram mais uma homenagem ao astro do folk e do rock.

No repertório, claro, Blowin' In The Wind. Então, que tal um vinil de The Freewheelin' Bob Dylan, clássico que trouxe pela primeira vez uma gravação da canção? Ele vai gostar, pode apostar.


4. O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty

Estudo sobre a concentração de riqueza e a evolução da desigualdade, o livro é obrigatório para entender o momento que passa o capitalismo. Suplicy, claro, está esperto no tema.


5. Um Mundo Sem Pobreza, de Muhammad Yunus

muhammad yunus book

As ideias de Muhammad Yunus, o chamado "banqueiro dos pobres" e que ganhou o Prêmio Nobel da Paz. O indiano explica como o microcrédito para os mais pobres pode ser uma alternativa para eliminar a pobreza extrema.

6. O Rei do Mundo, - Muhammad Ali e a Ascensão de um Herói Americano

muhammad ali book

Suplicy lutava boxe antes de lutar pelos direitos civis e humanos. Muhammad Ali, que o mundo perdeu recentemente, fez o caminho inverso. Foi do boxe para o centro das revoluções da década de 1960. O candidato a vereador por São Paulo vai vibrar.