NOTÍCIAS

Papa chama massacre de Orlando de 'loucura homicida e ódio sem sentido'

13/06/2016 11:57 -03 | Atualizado 13/06/2016 11:57 -03
Vatican Pool via Getty Images
ROME, ITALY - JUNE 13: Pope Francis delivers his speech at the The United Nations World Food Programme headquarter on June 13, 2016 in Rome, Italy. Pope Francis on Monday made his first visit to the United Nations World Food Programme, the United Nations agency that fights hunger. It is the first ever Papal visit to WFP, and comes during the first year of work towards the landmark Sustainable Development Goals. (Photo by Vatican Pool/Getty Images)

O papa Francisco se manifestou, neste final de semana, sobre o massacre em Orlando que deixou 49 mortos e mais de 50 feridos.

Citado pelo Catholic News Service o papa descreveu o ato como uma expressão da "loucura homicida e do ódio sem sentido".

"O massacre terrível que aconteceu em Orlando, com um número terrivelmente elevado de vítimas inocentes, causou no papa Francisco, e em todos nós, os sentimentos mais profundos de horror e condenação, de dor e confusão", afirma o Vaticano, em comunicado.

De acordo com a NBC, nesta segunda-feira (13) o pontífice também condenou a liberdade com que armas circularam no mundo se comparado aos obstáculos encontrados para a distribuição de ajuda. O papa criticou um "estranho paradoxo" em que ajuda e comida são obstruídas por barreiras, inclusive decisões políticas e ideologia, mas os armamentos não.

"Não faz diferença de onde as armas vêm - elas circulam com uma liberdade irrestrita e praticamente absoluta em muitas partes do mundo".

Quem também falou sobre o massacre foi a chanceler alemã, Angela Merkel.

Em um pronunciamento conjunto com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, a chanceler afirmou que o massacre não vai modificar a política de "abertura e tolerância" da Alemanha.

"Nosso corações estão pesados porque o ódio e a melícia de um único homem tomou a vida de mais de cinquenta pessoas, e acho que digo isso em nome de toda a delegação alemã aqui presente. Mas nós acreditamos, firmemente, que mesmo em casos de crimes graves que nos causam profunda tristeza, na continuação da nossa vida ampla e tolerante".

LEIA TAMBÉM:

- Foi homofobia, sim! Massacre em Orlando mistura ódio e fácil acesso às armas

- Tragédia em Orlando: 5 tweets que provam que Feliciano não sabe ficar calado

- Homem abre fogo em boate gay nos EUA e mata dezenas de pessoas