NOTÍCIAS

Frio pode ter matado quatro moradores de rua em SP

13/06/2016 12:11 BRT | Atualizado 13/06/2016 12:11 BRT
Hindustan Times via Getty Images
NEW DELHI, INDIA - JANUARY 22: A homeless man tries to stay warm in a blanket on cold winter morning at ITO Road on January 22, 2016 in New Delhi, India. Delhi today recorded the lowest temperature of the season with mercury dipping to 4.2 degrees Celsius, even as a thick blanket of fog severely hit flight and train operations besides affecting vehicular movement. (Photo by Arun Sharma/Hindustan Times via Getty Images)

A Arquidiocese de São Paulo confirmou hoje (13) a morte de mais dois moradores de rua possivelmente em razão do frio dos últimos dias na capital paulista. A Secretaria de Segurança Pública já havia notificado o óbito de dois homens, um na Avenida Paulista e outro em frente à Estação Belém do metrô.

De acordo com frei Agostino, um homem foi achado próximo ao metrô Santana, zona norte, na última quinta-feira (9). O outro corpo é de uma mulher, encontrado na sexta-feira (10) perto do Terminal Rodoviário do Tietê, também na zona norte. Eles ainda não foram identificados.

O morador de rua João Carlos Rodrigues, de 55 anos, que estava nas imediações da estação Belém do metrô, foi achado na madrugada de sexta-feira. Adilson Justino, com idade desconhecida, foi encontrado pela Polícia Militar na Avenida Paulista sofrendo uma convulsão.

As causas das mortes ainda serão investigadas, mas, para a arquidiocese, tudo indica que o frio tenha matado as quatro pessoas.

São Paulo tem batido recordes de baixas temperaturas. Hoje (13), a cidade registrou zero grau às 3h30 na estação meteorológica da Capela do Socorro, zona sul. Foi a temperatura mais baixa em 12 anos, medida pelo Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE).

Em outras estações, os termômetros também se aproximaram de zero. Em São Mateus, zona leste, a temperatura chegou a 0,4ºC às 4h10. Parelheiros, no extremo sul, acusou 0,8ºC por volta de 1h30.

Campanhas de doação para proteger moradores de rua

Os moradores de rua são os que mais sofrem com as baixas temperaturas, mas você pode ajudá-los a se aquecerem nas madrugadas congelantes. Desde que o frio chegou, diversas campanhas pedem doações de agasalhos e cobertores.

Uma delas é o trabalho voluntário Entrega por SP, projeto que incentiva a doação de alimentos, roupas e itens de higiene para moradores de rua. Uma vez por semana, centenas de voluntários se reúnem na Praça Charles Miller, em São Paulo, e doam kits com pasta e escova de dente, garrafinha de água, sanduíche, roupas em bom estado, mochilas e cobertores.

O projeto tem um financiamento coletivo, cujas as contribuições serão revertidas em doações. Para doar clique aqui.

A Warm também está realizando uma iniciativa para ajudar os moradores de rua de São Paulo. Ao comprar um cobertor, a organizadora doa uma peça idêntica a um sem-teto. A boa ação custa R$ 90 e pode ser comprada neste link.

Outro movimento com objetivo de esquentar quem precisa é o SP Invisível, que incentiva pessoas a levarem uma blusa extra ao sair de casa e doá-la a quem passa frio na rua. A iniciativa já foi compartilhada por 11 mil pessoas.

Além de todas essas iniciativas, a tradicional Campanha do Agasalho está rolando em São Paulo, Campinas, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e em outros estados. Cada região organiza a própria doação.

LEIA MAIS:

- Campanhas apostam no calor humano para proteger moradores de rua do frio

(Com informação da Agência Brasil)