NOTÍCIAS

'Ele está vindo. Eu vou morrer': Vítima manda mensagem para mãe minutos antes de morrer em massacre em Orlando

13/06/2016 13:01 -03 | Atualizado 13/06/2016 13:01 -03
Dario Pignatelli via Getty Images
BANGKOK, THAILAND - JUNE 13: People light candles during a vigil for the attack at the gay club in Orlando, on Monday, June 13, in Bangkok, Thailand. (Photo by Dario Pignatelli/Getty Images)

"Mamãe, eu te amo". Esta foi a primeira mensagem enviada à Mina Justice enviada pelo seu filho, Eddie, na madrugada do último domingo (12). "Na boate estão atirando".

Eddie estava na balada Pulse, local onde o atirador Omar Mateen matou 49 pessoas e foi morto em seguida pela polícia. De acordo com a Associated Press, Mina recebeu a primeira mensagem às 2:06 da manhã (horário local) e acordou, ainda sem entender a situação.

Mina perguntou ao filho se ele estava bem. Sem resposta, ela tentou ligar para ele, mas ele não atendeu.

Minutos depois, Eddie escreveu: "Preso no Banheiro" e Mina perguntou em qual boate. "Pulse. Centro. Chame a polícia", escreveu Eddie.

Um minuto depois, ele escreveu outra mensagem: "Eu vou morrer."

Mina ligava para a política enquanto mandava outras mensagens ao filho. "Estou ligando para eles agora. Você ainda está aí?"

Às 2:39 da manhã, horário em Orlando, a mãe recebeu outras mensagens de Eddie: "Ligue para eles mamãe. Agora". Ele estava no banheiro. "Ele [atirador] está vindo... Eu vou morrer."

A mãe enviou diversas mensagens pedindo ao filho que a respondesse. "Depressa", escreveu Eddie. "Ele está no banheiro com a gente. Ele é um terror."

Eddie foi um dos dez primeiros nomes identificados e divulgados pela Prefeitura de Orlando na lista de vítimas do massacre. Antes de ter notícias do filho, Mina disse à AP: "eu estou com esse sentimento. Estou com um mau pressentimento."

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou o ataque, motivado por extremismo religioso e homofobia. Mateen foi morto pela polícia após horas de negociação dentro da boate frequentada pelo público LGBT.

De acordo com informações da Rede Globo, a polícia invadiu a boate com granadas de efeito moral e matou o atirador.

LEIA MAIS:

- Foi homofobia, sim! Massacre em Orlando mistura ódio e fácil acesso às armas

- Papa chama massacre de Orlando de 'loucura homicida e ódio sem sentido'