NOTÍCIAS

'Bem, eu avisei', diz Joaquim Barbosa após saída de Jucá

24/05/2016 11:58 BRT | Atualizado 26/01/2017 22:32 BRST
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
Montagem/Getty Images/Reprodução Twitter

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa usou sua conta oficial no Twitter para repercutir o escândalo que levou à saída de Romero Jucá (PMDB) do Ministério do Planejamento. "Bem, eu avisei", disse o ex-ministro no microblog.

Barbosa já tinha se manifestado várias vezes contra a forma como foi conduzido o processo de impeachment de Dilma Rousseff e chegou a afirmar que Michel Temer não teria legitimidade para governar o País.

A manifestação ocorre após Jucá, que é investigado na Operação Lava Jato, ser flagrado em uma conversa com outro investigado, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, discutindo como "estancar" a operação com a chegada de Temer ao poder antes mesmo de o impeachment ser votado. Com o escândalo, o peemedebista foi o primeiro ministro do governo interino a cair, apenas 12 dias após Dilma ser afastada.

Barbosa, que ficou famoso devido ao seu rigor no julgamento do mensalão, que levou à prisão membros da cúpula do PT no governo Lula e desmascarou um esquema de corrupção que, anos mais tarde, desembocaria na operação Lava Jato, costuma se manifestar sobre a situação política atual e fazer duras críticas aos partidos e políticos.

O ex-ministro do STF, que hoje atua como advogado, chegou a discursar em uma palestra logo após o processo do impeachment ser aprovado pelo Senado.

"É muito grave tirar a presidente do cargo e colocar em seu lugar alguém que é seu adversário oculto ou ostensivo, alguém que perdeu uma eleição presidencial ou alguém que sequer um dia teria o sonho de disputar uma eleição para presidente. Anotem: o Brasil terá de conviver por mais dois anos com essa anomalia", disse na ocasião.

LEIA MAIS:

- 'Perto da gravação de Jucá, a minha é uma Disney', diz Delcídio, cassado por tentar obstruir a Lava Jato

- 'A sociedade brasileira tem moral dupla: O que os outros fazem é errado, mas o que eu faço não', diz ministro do STF, relator do Mensalão