NOTÍCIAS

Temer prepara mensagem de 'esperança'

11/05/2016 09:59 BRT | Atualizado 27/01/2017 00:31 BRST
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
EVARISTO SA via Getty Images
Brazilian Vice President Michel Temer gestures upon leaving his office at the presidential palace in Brasilia on December 9, 2015. Brazil's Supreme Court on Tuesday suspended action by a special congressional commission weighing impeachment proceedings against embattled President Dilma Rousseff. The move freezes the impeachment process until December 16 when the court convenes for a full session.AFP PHOTO/EVARISTO SA / AFP / EVARISTO SA (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

Confiante de que o plenário do Senado aprovará nesta quarta-feira, 11, o afastamento da presidente Dilma Rousseff, o vice Michel Temer (PMDB) intensificou nesta terça os preparativos para assumir interinamente o comando do País com o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL).

A expectativa da cúpula do PMDB é de que por volta das 22h desta quarta o resultado sobre a admissibilidade do processo de impeachment já seja alcançado, o que acarretará no afastamento de Dilma do cargo por até 180 dias.

Diante de um quadro considerado como irreversível até pelos governistas, Temer se reuniu nesta terça com integrantes do grupo mais próximo do partido para definir a linha do pronunciamento que pretende fazer, no fim da tarde de quinta-feira, 12, horas depois de Dilma ser notificada oficialmente da decisão.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, Temer deve atender a imprensa no Palácio do Planalto. A ideia inicial é o vice falar sem abrir espaços para perguntas dos jornalistas. Essa sistemática, no entanto, ainda não foi fechada e o martelo deve ser batido em novas reuniões previstas para ocorrer na manhã desta quarta, no Palácio do Jaburu. Segundo interlocutores do vice, a ideia central do discurso será a de que "não é momento para comemorar, não é um momento de vitória, mas, por outro lado, a esperança está no ar".

Temer também deve abrir espaços na declaração para tratar da importância do prosseguimento das investigações da Operação Lava Jato. Atualmente, alguns dos principais quadros do partido - como o presidente em exercício do PMDB, senador Romero Jucá (RR), o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afastado do comando da Câmara, e Renan Calheiros - estão no centro das investigações.

Diante de possíveis desgastes com a opinião pública, Temer deve tratar a Lava Jato como um "patrimônio" a ser mantido. Após o pronunciamento, integrantes do grupo mais próximo defendem que o vice faça uma rodada de entrevistas começando pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, e em seguida com os principais jornais e revistas nacionais.

Trâmites

Com a iminência do afastamento de Dilma, Temer se reuniu na tarde de terça com Renan, na residência oficial do presidente do Senado, para tirar as últimas dúvidas sobre os procedimentos que serão adotados para ele assumir a Presidência da República. O encontro, feito a pedido do vice, ocorreu um dia após Temer ser pego de surpresa com a tentativa de manobra do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), de anular o processo de impeachment.

O deputado foi orientado pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, e pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B). Após ser enquadrado pela cúpula de seu partido, Maranhão recuou e revogou a decisão no início da madrugada de terça.

"O presidente Michel se inteirou de como o Senado vai tratar a questão amanhã (quarta) e também na quinta-feira", afirmou Jucá, após a reunião. "Na quinta-feira, em havendo a interinidade do presidente Michel, ele provavelmente já definirá a nomeação dos novos ministros", emendou. Na reta final da montagem do novo governo, Temer decidiu reduzir dos atuais 32 para 22 ministérios.

Segundo Jucá, que deverá assumir o Planejamento na nova gestão, as mudanças na área econômica não serão anunciadas no mesmo dia em que Temer assumir a Presidência. "As medidas econômicas virão no devido momento, depois da discussão do ministro da Fazenda, que for nomeado, com o presidente da República", ressaltou o peemedebista. Para o comando da Fazenda deve assumir o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles.

O senador ressaltou ainda que um dos primeiros desafios da gestão Temer será o de definir e aprovar a meta de superávit fiscal do ano.

LEIA MAIS:

- O que são as pedaladas fiscais e por que são argumento para o impeachment de Dilma

- Dilma: 'A História ainda vai dizer o quanto de violência contra mulher tem nesse impeachment'