NOTÍCIAS

Padre primo de petista sai de Sergipe para defender impeachment no Senado

11/05/2016 14:25 BRT | Atualizado 27/01/2017 00:31 BRST
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
Marcella Fernandes/HuffPost Brasil

No meio de parlamentares de terno, uma batina chamou atenção durante a discussão da admissibilidade do impeachment no Senado. Primo do deputado e padre petista Luiz Couto (PB), o padre Lázaro Brito Couto veio de Sergipe defender a saída da presidente Dilma Rousseff.

“Só saio daqui quando Dilma sair do Planalto”, afirmou a jornalistas. Natural da Paraíba, Lázaro trabalha em Aracajú (SE), para onde deve voltar na sexta-feira (13). “Dia de Nossa Senhora de Fátima”, ele lembra.

Com acesso restrito no local, o padre conseguiu entrar com um adesivo de visitante, dado pelo senador Eduardo Amorim (PSC-SE), chamado de “amigo” por Lázaro.

Ele negou ter cargos no governo e disse que veio por vontade própria. “Eu desejo muito [o impeachment] porque eu quero o mesmo que o povo brasileiro”, justificou.

O padre chegou a ser alvo de piadas. “Me perguntaram se eu vim exorcizar o Planalto, mas na verdade isso é com os senadores”, disse.

Sobre possível desconforto com o primo petista, o religioso disse que prevalece o respeito. “Temos visões diferentes sobre o Brasil, mas nós nos damos muito bem. o respeito é fundamental neste momento”, afirmou.

LEIA TAMBÉM

- O que são as pedaladas fiscais e por que são argumento para o impeachment de Dilma

- Fracasso no diálogo deve levar Dilma Rousseff a entregar governo ao PMDB

- Dilma: 'A História ainda vai dizer o quanto de violência contra mulher tem nesse impeachment'