NOTÍCIAS

Em meio à crise, Venezuela anuncia aumento de 30% no salário mínimo

01/05/2016 16:28 BRT | Atualizado 27/01/2017 00:31 BRST
ASSOCIATED PRESS
Venezuela's President Nicolas Maduro speaks during the installation of a truth commission to investigate the violence the country has experienced the last years, at Miraflores Presidential Palace in Caracas, Venezuela, Tuesday, April 12, 2016. President Maduro called for a national dialogue, and announced the truth commission will be accompanied by the Secretary General of The South American Nations Union, Ernesto Samper, and the Ex-Presidents Leonel Fernandez of the Dominican Republic, Jose Luis Rodriguez Zapatero of Spain and Martin Torrijos of Panama. (AP Photo/Ariana Cubillos)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na noite de sábado (30) um aumento de 30% no salário mínimo e pensões, no mais recente movimento do governo socialista para lidar com a alta inflação e estagnação econômica. A alta segue um aumento de 25% anunciado no dia 1º de março.

Maduro afirmou que ele detalhará o aumento durante as manifestações de domingo (1º) pelo Dia do Trabalhador. Este é o 12º aumento salarial que Maduro decreta desde que assumiu o cargo há três anos e o segundo de 2016, e passa a valer a partir deste final de semana, segundo anunciou ele em pronunciamento na televisão.

Com isso novo aumento, o salário mínimo passará para 15.051 bolívares por mês, cerca de US$ 1.500 na taxa de câmbio oficial, mas cerca de US$ 50 no mercado negro atual, que define, em grande parte, os preços dos bens para os venezuelanos.

A economia venezuelana, dependente das exportações de petróleo, encolheu 5,7% no ano passado, em meio ao avanço da escassez de produtos básicos e alta nos preços.