NOTÍCIAS

Vídeo mostra momento em que onda derruba ciclovia no Rio de Janeiro

22/04/2016 14:49 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Um vídeo que mostra o momento em que uma forte onda do mar derruba uma parte da ciclovia Tim Maia, na avenida Niemeyer, no Rio de Janeiro, circula desde ontem nas redes sociais. Ao menos dois homens que trafegavam na pista morreram, e o Corpo de Bombeiros faz buscas por mais uma possível vítima.

As imagens capturadas mostram que a via estava movimentada no momento da tragédia. Muitas pessoas assistiam ao efeito provocado pela ressaca do mar.


Em entrevista à BBC, o autor das imagens, Silvano Cândido da Silva, disse acreditar que, se não tivesse parado para filmar as ondas, poderia também ter sido vítima da queda da ciclovia.

"Fiquei apavorado. Minutos antes, um corredor (ele acha que se trata de Eduardo Marinho Albuquerque, que está entre as vítimas fatais do desabamento) tinha passado por mim e pedido licença. Eu havia, então, parado para filmar a ressaca, e a imagem acabou mostrando o desabamento, a ciclovia levantando. Se eu não tivesse parado para filmar, acho que teria morrido. Acho que não estaria aqui hoje”, contou à reportagem.

O secretário municipal de governo, Pedro Paulo, afirmou hoje que uma perícia "alternativa" será feita pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH). O resultado deve ficar pronto em 30 dias.

"O estudo irá periciar as causas do acidente, irá rever todos os modelos de impacto costeiro, de toda a ciclovia, e também a ciclovia do Joá", disse o secretário, que participou, nesta manhã, de reunião com técnicos de entidades que farão a perícia independente. O valor do estudo ainda será apresentado à prefeitura.

Segundo o secretário, ainda é cedo para determinar culpados, mas a prefeitura não vai se isentar de possíveis falhas na fiscalização. "Também puniremos servidores ou fiscais que tiveram algum tipo de falha ou erro na projeção e execução do projeto", disse Pedro Paulo. "E teremos medidas a partir desse episódio que possam evitar outras tragédias, para estabelecer novos protocolos de emergência."

O trecho da ciclovia que desabou recebeu tapumes, e a Avenida Niemayer foi liberada para o tráfego de veículos no início da tarde.

O consórcio responsável pela obra, Concremat-Concrejato, não participou da reunião, mas estará à disposição da perícia independente para prestar os esclarecimentos necessários, adiantou o secretário.

LEIA MAIS:

- 'Vi a estrutura desmoronar como se fosse papel', diz morador sobre ciclovia no Rio

- Construtora de ciclovia que desabou é da família de secretário do Rio

Ciclovia desaba no Rio de Janeiro