NOTÍCIAS

‘Diário da Mente' oferece um lugar seguro para que os homens se abram sobre suas emoções

20/04/2016 12:53 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
iStock

Um designer gráfico lançou uma campanha de crowdfunding para ajudar os homens a se abrir sobre questões de saúde mental.

Ollie Aplin tinha 19 anos quando sua mãe se suicidou.

“Quando ela morreu, acho que tive um colapso mental”, disse ele.

A mãe de Aplin sofria de transtorno bipolar e, durante toda a infância, ele tentou ajudá-la.

ollie aplin com a mãe

Ollie Aplin com a mãe

Aplin, que sofria de ansiedade, ataques de pânico e dor de cabeça debilitante, de repente viu-se derrubado por um colapso mental quando sua mãe morreu.

Durante anos ele manteve essas emoções reprimidas, à custa de sua saúde mental. Foi apenas quando ele começou a colocar seus sentimentos no papel que ele encontrou a luz no fim de um longo túnel.

“Tudo isso precisa sair [da cabeça]. Você não pode segurar a energia de tantas emoções lá dentro”, disse ele.

“O que me salvou mais de uma vez foi um conselho que recebi anos atrás – escrever um diário. E é isso o que venho tentando fazer desde então.”

Agora, Aplin, um britânico da cidade de Brighton, lançou um “Mind Journal” (diário da mente) para homens.

Trata-se de um caderno estiloso no qual os caras podem escrever o que lhes vêm à cabeça – com o objetivo de entender e navegar os desafios da vida.

O caderno tem várias perguntas e tarefas que “dão força interior”.

O “Diário da Mente”

“Anos atrás, a ideia de um homem escrevendo seus pensamentos em um livro era mais que normal”, diz Aplin.

“Mas isso se perdeu ao longo do tempo, infelizmente. Os caras não colocam mais seus altos e baixos no papel. E isso aconteceu junto com um fracasso epidêmico na oferta de ferramentas para lidar com os estresses da vida moderna.”

Aplin lançou a ideia no Kickstarter. Centenas de pessoas investiram no projeto para tentar transformá-lo em realidade.

A campanha, já encerrada, arrecadou 45 641 libras (cerca de 227 000 reais), quase o triplo do objetivo inicial, que era de 17 500 libras (89 000 reais).

“Posso ser completamente sincero com o diário, sem medo de repercussões. Costumo ter dificuldade de expressar verbalmente minhas emoções verdadeiras e meus pensamentos para outras pessoas – não quero que me achem fraco ou que me julguem”, disse Aplin.

Aplin disse que decidiu criar o diário com perguntas e tarefas porque em geral os cadernos “vêm em branco e portanto não são tão inspiradores”.

“É esse aspecto que causa minha ansiedade pré-diário”, explica ele. “Aquela página em branco olhando pra mim. Depois de anos tentando escrever um diário e sete meses de trabalho duro, criei um novo tipo de diário.”

“Não estou fazendo isso para obter reconhecimento, dinheiro ou fama. Só queria que algo assim existisse anos atrás, quando atravessei um período difícil.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost UK e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Maridos de pacientes com câncer de mama não buscam ajuda psicológica

- 13 coisas que homens com ansiedade e depressão querem que você saiba

- Precisamos parar de fingir que o equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal é uma questão só das mulheres