NOTÍCIAS

Dilma rebate homenagem de Bolsonaro a torturador: 'Lamentável'

19/04/2016 12:13 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Montagem/Reuters/Getty Images

“Lamentável.”

Foi assim que a presidente Dilma Rousseff classificou a defesa que o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) fez do torturador coronel Brilhante Ustra na justificativa do voto favorável ao impeachment.

“Acho lamentável. Fui presa nos anos 1970, de fato, eu conheci muito bem esse senhor, ao qual se refere. Ele era um dos maiores torturadores do Brasil. Recaem sobre ele também acusações de morte. É só ler os papéis da Comissão da Verdade e mesmo outros relatos.”

Para a presidente, este tipo de fala ganha força por causa da crise política.

“Eu lastimo que esse momento tenha dado abertura para esse tipo de fala. A aventura golpista levou à uma situação que nós não vivíamos no Brasil: de raiva, de ódio. Num processo como o nosso que a democracia resulta de uma luta é terrível ver alguém votando em homenagem ao maior torturador que o Brasil conheceu.”

Gênero

Questionada se ela achava que um homem sofreria os mesmos ataques, como o cartaz "tchau, querida", ela ressaltou que há um grande preconceito contra a mulher. "Não se conformam que eu não fique nervosa, histérica. (...) Têm atitudes comigo que não teriam com presidente homem".

Ela também defendeu as brasileiras, disse que as mulheres brasileiras não têm nada de frágeis e tem um papel importante nas famílias brasileiras.

Golpe

Em entrevista a jornalistas de veículos internacionais, a presidente voltou a dizer que não há base legal para sustentar o impeachment. Ela destacou que não recaem nenhum acusação de corrupção sobre ela, que está sendo julgada por “questões contábeis, fiscais, que não dizem respeito ao mau uso do dinheiro público”.

“Tenho profunda consciência de que estou sendo vítima deste processo."

Olimpíadas

A presidente também garantiu muito trabalho para viabilizar os jogos olímpicos.

"Hoje, estão todas as estruturas (montadas). Quando olhamos todos os estados, todas as estruturas de segurança, do parque aquático às estruturas de segurança e à capacidade de vocês se comunicarem com o mundo. Temos a estrutura de energia montada. Os jogos deixarão um legado de uma política de esportes que proporcionou aos nosso atletas um suporte que nunca tinham tido antes. Espero não ganhar só nas quadras, mas fora delas. Fizemos obras que transformaram o Rio. Tenho certeza que serão os melhores jogos olímpicos desse pais e do mundo.

LEIA TAMBÉM:

- Contra Cunha e Temer, cresce discurso por novas eleições

- Católicas pelo Direito de Decidir criticam impeachment de Dilma Rousseff

- 'Me sinto indignada e injustiçada', diz Dilma sobre impeachment na Câmara