NOTÍCIAS

Católicas pelo Direito de Decidir criticam impeachment de Dilma Rousseff

18/04/2016 20:30 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Fernando Frazão/Agência Brasil

O grupo Católicas pelo Direito de Decidir criticou a decisão da Câmara dos Deputados de aprovar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para a entidade que é favorável à legalização do aborto, os discursos centrados em justificativas como “Deus” e “família” no plenário desviaram o foco da discussão jurídica sobre o impedimento.

“O que se ouviu como justificativa para votos favoráveis ao impeachment não se referia ao conteúdo das acusações feitas à presidenta da República. Provavelmente pelo reconhecimento não explicitado de que tais argumentos e acusações são insustentáveis”, afirmou o grupo, em nota em referência à acusação de crime de responsabilidade por pedaladas fiscais.

Durante a sessão deste domingo (18), diversos parlamentares usaram como justificativa "Deus" e a "família" ao votarem a favor do impedimento. Alguns chegaram a citar nominalmente parentes.

Na avaliação da entidade, os discursos se centram em aspectos individuais e são desconexos do que deveria estar em discussão no plenário.

“As invocações à família e a Deus, que nada têm a ver com as razões pelas quais se quer afastar a presidenta, tinham como horizonte as próprias famílias e um deus à imagem e semelhança desses parlamentares. São suas famílias e seus deuses que defendem.”

O texto atribui os discursos ao crescimento dentro do Congresso de “grupos retrógrados que usam a religião a favor de seus interesses privados, pessoais, familiares e de grupos que financiam suas campanhas nada têm a ver com princípios e ideais religiosos”.

O grupo afirmou que sairão novamente às ruas em defesa da democracia e de um Estado laico.

LEIA MAIS:

- 'Me sinto indignada e injustiçada', diz Dilma sobre impeachment na Câmara

- Sem parar um minuto... PMDB quer agilidade no Senado para impeachment

Impeachment na Imprensa Internacional