NOTÍCIAS
17/04/2016 14:50 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Princípio de confusão marca início da votação do impeachment

Ueslei Marcelino/REUTERS

Um princípio de confusão marcou os primeiros momentos da sessão de votação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

O método escolhido pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para a segunda chamada de votação irritou os governistas.

Os deputados Orlando Silva (PCdoB-SP) e Paulo Teixeira (PT-SP) foram para cima da Mesa Diretora e reclamaram e Cunha pediu intervenção da segurança da Casa.

Cunha decidiu que a segunda chamada será feita ainda na bancada do estado chamado para votar. Ele iniciará a votação nominal por Roraima. Após chamar todos os deputados do estado, ele voltará nos ausentes.

Esse é o último momento em que os parlamentares poderão votar.

A expectativa era que a segunda chamada fosse feita após chamar os 513 deputados, ouvindo aqueles que estavam ausentes.

Cunha foi duro e pediu aos parlamentares que assumam suas responsabilidades e posições.

câmara

LEIA TAMBÉM:

- Cunha avisa: Há outros 10 pedidos de impeachment contra Dilma na fila

- Governo e oposição brigam até último momento pelos votos dos indecisos sobre impeachment

- 'É mentira rasteira', diz Temer sobre fim do Bolsa Família

- Dilma: ‘A denúncia contra mim não passa da maior fraude jurídica e política da história do nosso país'

- Muro em Brasília mostra que talvez tenhamos ido longe demais