NOTÍCIAS

Governo e oposição brigam até último momento pelos votos dos indecisos sobre impeachment

17/04/2016 01:20 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Lula Marques / Fotos Públicas

Com um movimento comparado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao de uma bolsa de valores, com uma “guerra de sobe e desce”, governo e oposição iniciam o dia em que o plenário Câmara dos Deputados decide se dá prosseguimento ao pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff em clima de instabilidade.

Um dos principais motores para essa última onda foi o fortalecimento de um movimento de parlamentares que não querem nem a presidente Dilma nem o vice Michel Temer no comando do País.

O grupo de aproximadamente 15 parlamentares votaria abstenção em vez de “sim” ou “não”, o que prejudica a oposição. A maioria é do PSB, mas deputados tanto da base quanto da oposição também cogitam se abster.

O processo só segue adiante se a oposição conseguir 342 votos. Na outra linha, se faltas, abstenções e votos contra somarem 172 parlamentares, o impeachment é enterrado neste domingo (17).

O deputado João Derly (Rede-RS) não quer Dilma nem Temer, mas prefere encampar uma posição. “Eu sou a favor de novas eleições, mas tenho que votar sim ou não. Abstenção pra mim não é uma opção, então votarei a favor”, disse.

Também entre os que não querem Dilma nem Temer e defendem novas eleições, o deputado Domingos Neto (PSD-CE) discorda de Derly:

“Acho incoerente os que não querem nem um nem outro votarem a favor. O julgamento é jurídico e político, tem que ter o crime de responsabilidade. Quando se defende o impeachment usando o argumento de economia, mostra que a decisão é política e não jurídica e é difícil mensurar entre um e outro, você não consegue mensurar o custo do valor da importância da democracia. Quanto vale a democracia? Vale a pena romper? Acredito que a democracia é imensurável.”

‘Tem que conversar 24 horas por dia’

O movimento dos nem-nem foi um dos principais assuntos de ontem (16) entre os petistas. Os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Vicente Cândido (PT-SP) foram alguns dos que atribuíram aos “neutros” o bom humor governista. Teixeira descreveu:

“Estamos vendo que a oposição está retraindo, vemos sinais claros de receio e medo, principalmente com o crescimento dos que não são Dilma e não são Temer. Um exemplo foi o fato de Michel Temer ter voltado de São Paulo. Ele voltou porque não tem votos suficientes, achou que tinha, mas viu que o jogo não estava ganho. O importante é que este movimento nos é favorável.”

Vicente Cândido (PT-SP) acrescentou que os votos estão sendo revertidos graças a uma forte pressão na base e à percepção do povo sobre o que está em jogo.

“Se fizessem uma pesquisa hoje veriam que estamos ganhando, as pessoas não concordam com a maneira que esse processo está sendo conduzido. O grupo de indecisos também ajuda, eles passaram a perceber que um governo Temer não tem legitimidade, será um balaio de gato, feito para agradar ao mercado financeiro e conservador e voltar atrás na conquista de direitos humanos.”

Apesar do clima otimista, um alerta para baixar a bola foi entoado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Só temos 513 votos pra gente conquistar. Nós precisamos conquistar metade desses 513 votos. Ou não deixá-los conquistar 342. Então é uma guerra de sobe e desce. Parece a bolsa de valores. Tem o hora que o cara tá com a gente, tem hora que não tá mais, tem hora que tá com o outro lado, e você tem que conversar 24 horas por dia, então eu tenho que voltar para conversar com governadores que podem nos ajudar."

Histórias e histórias

Fiscal oficial da lista de votos da oposição, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) desqualifica o ânimo dos aliados de Dilma.

Ao HuffPost Brasil, ele se referiu aos cálculos do governo como boatos:

“Não senti os governistas mais animados, senti histórias e histórias. Ontem disseram que o Waldir Maranhão (PP-MA) traria 12 votos, trouxe um só e vai ser expulso do partido. Perdemos de um lado, mas estamos ganhando de outro. Isso é agência de boataria, de marquetagem falsa, o que é normal. Nós estamos chegando nos 370 votos, uma bela gordura em um colégio eleitoral pequeno. Eles precisam de 35 votos, é difícil e o efeito manada, cardume, vai ser intenso amanhã e não vai ser para o lado do governo. O governo não resolveu a vida da população e não vai resolver. A população sabe.”

LEIA TAMBÉM:

- 'É mentira rasteira', diz Temer sobre fim do Bolsa Família

- Dilma: ‘A denúncia contra mim não passa da maior fraude jurídica e política da história do nosso país'

- Muro em Brasília mostra que talvez tenhamos ido longe demais