NOTÍCIAS

Bancada Evangélica aposta em governo Temer para avançar em pautas conservadoras

17/04/2016 00:49 -03 | Atualizado 29/05/2017 18:52 -03
Lula Marques/ Agência PT

Com 79 deputados, a Frente Parlamentar Evangélica aposta em um governo do PMDB para avançar nas pautas conservadoras.

Após declarar apoio ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, a bancada tem se reunido com o vice-presidente, Michel Temer, em busca de apoio.

Quanto ao posicionamento diante da conduta do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), réu na Operação Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro, a frente silencia.

Um dos articuladores das votações de projetos considerados retrocessos aos direitos humanos, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), vê em um eventual governo Temer menos resistência à agenda da bancada, tema das reuniões com o peemedebista, conforme disse ao HuffPost Brasil.

"O governo do PT é um governo muito mais ideológico em seus princípios do que nos princípios da cultura religiosa do País. Portanto, eu acho que, com o Michel Temer, estes nossos assuntos terão ao menos mais diálogo e mais facilidade, o que em nenhum momento de 13 anos do governo do PT nós conseguimos, excetuando os dois primeiros anos do presidente Lula", argumentou.

Na agenda pós-impeachment, as prioridades da Bancada Evangélica são: o Estatuto da Família (PL 6583/2013), o Estatuto do Nascituro (PL478/2007) e a PEC 99/2011, que permite entidades religiosas propor ação direta de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade ao Supremo Tribunal Federal. Atualmente essa prerrogativa é restrita a chefes do Executivo e Legislativo federais e estaduais, ao procurador-geral da República, Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), partido político ou entidade de classe de âmbito nacional.

Alvo de protestos em diversas cidades do país em 2015, o PL 5069/2013, de autoria de Cunha, que dificulta o atendimento às vítimas de estupro, também está na lista.

"Manifestação não influencia no voto de convicção da Bancada Evangélica e nessa hora a gente faz uma interlocução muito boa com as bancadas da segurança pública e da agricultura. Quando a gente junta as três bancadas, a gente aprova", torce Sóstenes.

A Frente da Segurança conta com 210 deputados e a da Agricultura com 191, sendo que há nomes nas três.

Além de apresentar a agenda para Temer, as conversas trataram também do apoio ao peemedebista. Hoje 58% dos brasileiros são favoráveis ao impeachment do vice.

"Se o governo Temer assumir, precisa de apoiamento não apenas dos partidos politicos, mas também da sociedade. O segmento religioso católico-evangélico toda semana fala com a base porque as igrejas têm capilaridade'", afirma o presidente da Bancada Evangélica, deputado João Campos (PRB-GO).

Quanto ao enfrentamento a Cunha, também integrante da bancada, os líderes do grupo silenciam.

"Só vamos discutir isso no dia que sair do Conselho de Ética", disse Campos ao HuffPost Brasil.

Presidente do PSC, partido favorável à saída de Dilma, pastor Everaldo cita a Bíblia para fugir do assunto Cunha.

"Não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal", afirma.

LEIA MAIS:

- O Brasil reencontra o impeachment 24 anos depois

- Na véspera de votação do impeachment, deputados transformam plenário em circo de selfies e 'fantasias'