NOTÍCIAS

Cunha dá uma de fiscal e vai controlar frequência de deputados no impeachment

13/04/2016 20:53 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02
ANDRESSA ANHOLETE via Getty Images
The president of the Brazilian Chamber of Deputies, Eduardo Cunha, gestures during breakfast with journalists in Brasília, on December 29, 2015. Cunha is a key figure in the impeachment process launched against President Dilma Rousseff. AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE / AFP / Andressa Anholete (Photo credit should read ANDRESSA ANHOLETE/AFP/Getty Images)

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acatou a questão de ordem do ex-líder do DEM, Mendonça Filho (PE), e segundo a Folha de S.Paulo, vai submeter a perícia médica os deputados que alegarem doença para comprovar falta no dia da votação do impeachment.

"Respeito o parlamentar que tem posição contrária ao processo de impeachment; ele que se justifique perante seus eleitores, mas não respeito o parlamentar que cria ou possa 'criar' uma doença para faltar ao seu dever num momento histórico para o País”, explicou o deputado do DEM.

Segundo o deputado, a medida protege os parlamentares que, com a perícia em mãos, comprovariam que não estão manobrando. Há na Casa a avaliação de que as faltas ajudam o governo porque ficaria mais difícil a oposição conseguir os 342 votos necessários para dar prosseguimento ao processo.

No início da semana, Cunha criticou esta estratégia: “Certamente quem fingir qualquer tipo de coisa para não vir vai ter que responder pelo lado político”.

LEIA TAMBÉM:

- Separação de bens: Temer pede para Justiça Eleitoral desvinculá-lo de Dilma

- Em clima de ‘já ganhou', políticos fazem romaria à casa de Temer

- Cunha traça estratégia para criar clima pró-impeachment no dia da votação