NOTÍCIAS
12/04/2016 08:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Ex-senador Gim Argello é preso por corrupção na CPI da Petrobras na 28ª fase da Lava Jato

Pedro França/Ag.Senado/Cristina Brasil/ Ag.Brasil

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (12) a Operação Vitória de Pirro, 28ª etapa da Lava Jato.

Cem policiais federais estão cumprindo 21 ordens judiciais, sendo 14 mandados de busca e apreensão, 1 mandado de prisão preventiva, 2 mandados de prisão temporária e 4 mandados de condução coercitiva. As medidas estão sendo cumpridas nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Taguatinga e Brasília.

O ex-senador Gim Argello (PTB-DF) é alvo de um mandado de prisão e sua casa de um mandado de buscas. De acordo com informações divulgadas pelo G1, a UTC Construtora teria repassado R$ 5 milhões a quatro partidos indicados por Argello. A ideia, segundo informações do ex-diretor financeiro da UTC, Walmir Pinheiro Santana, era "blindar" o presidente da empresa, Ricardo Pessoa.

Anteriormente, Argello já havia sido citado na delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS). Ainda segundo o G1, um dos mandados de busca e apreensão mira a sede empreiteira OAS, em São Paulo.

Segundo a PF, as investigações apuram a existência de indícios concretos de que destacado integrante da Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada no Senado Federal e também da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito instaurada no Congresso Nacional, ambas com o objetivo de apurar irregularidades no âmbito da Petrobras S/A no ano de 2014, teria atuado de forma incisiva no sentido de evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor dos partidos de sua base de sustentação.

Vitória de Pirro remete a expressão histórica que representa uma Vitória obtida mediante alto custo, popularmente adotada para Vitórias consideradas inúteis. Em que pese a atuação criminosa dos investigados no sentido de impedir o sucesso da apuração dos fatos na CPI/Senado e CPMI/Congresso Nacional, tal fato se mostrou inútil frente aos resultados das investigações realizadas no âmbito da denominada Operação Lava Jato.

Os fatos investigados nesta fase apuram a prática dos crimes de concussão, corrupção ativa, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Os presos serão encaminhados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) enquanto aqueles conduzidos para depoimentos serão ouvidos nas respectivas cidades onde forem localizados.

Na última fase, a Operação Carbono 14, na sexta-feira (1º), a Lava Jato prendeu o empresário Ronan Maria Pinto, de Santo André (SP) e o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira. O ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares e o jornalista Breno Altman foram conduzidos coercitivamente - quando o investigado é levado para depor e liberado.

LEIA TAMBÉM

- Sérgio Moro deve encerrar Lava Jato até dezembro, aponta jornal

- Lula: 'Duvido que tenha algum empresário que um dia discutiu 5 centavos comigo'

- Janot pode pedir para investigar Dilma e Aécio na semana do impeachment

- Fama incomoda Moro, que perde apoio popular e é criticado por grampos de Lula