ENTRETENIMENTO

Como estão 'Thelma & Louise' hoje, 25 anos depois?

12/04/2016 16:49 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02
Jason Schmidt/Harper's Bazaar

Este texto contém spoilers do filme Thelma & Louise.

Quando o drama Thelma & Louise chegou aos cinemas em 1991, uma das várias reações que ele causou foi o espanto: tanto pelo final, em que ambas as protagonistas morrem, quanto por elas usarem armas para se proteger de homens violentos.

No filme dirigido por Ridley Scott, as atrizes Geena Davis e Susan Sarandon dão vida a uma dona de casa submissa ao marido machista e uma garçonete solitária, respectivamente. As amigas decidem quebrar a rotina ao viajar dois dias pelos Estados Unidos.

Na estrada, uma delas assassina o homem que tenta estuprar a outra. Ambas decidem fugir da polícia. Encurraladas após uma perseguição, elas preferem avançar com o carro penhasco abaixo a se entregar – e fazem isso de mãos dadas, em uma cena icônica.

O filme se tornou um ícone feminista, por ter personagens mulheres multidimensionais e tratar de temas como machismo, violência contra as mulheres, estupro, independência e por aí vai. Sucesso de crítica e bilheteria, foi indicado a cinco Oscars, incluindo melhor diretor, atriz (Davis e Sarandon) e roteiro original (Callie Khouri), na qual venceu.

Hoje, 25 anos depois, as atrizes comentam em recente – e nostálgica – entrevista à Harper's Bazaar o que teria acontecido com as Thelma e Louise, se ambas tivessem sobrevivido e o legado do filme.

thelma and louise

"Bem, Thelma com certeza não estaria mais com o marido dela. Se esperaria que ela encontrasse Brad [Pitt] de novo", disse Sarandon, referindo-se ao amante que Thelma encontra na estrada, vivido pelo ator.

"Talvez Louise tivesse se tornado lésbica. Isso seria fabuloso."

O filme é considerado um marco na abordagem de mulheres no cinema, mas para Davis, os últimos 25 anos não trouxeram muitas mudanças à questão.

"Um tema muito comum na imprensa foi, 'isso muda tudo. Agora haverão tantos filmes sobre amizade entre mulheres, tantas as action figures femininas. Isso reescreve tudo'", contou a atriz. "[Mas] não mudou. A resposta certa é que não mudou merda nenhuma."

Mulheres, em Hollywood, ainda enfrentam a desigualdade. Há a questão da disparidade salarial e do fato de atrizes serem consideradas "velhas" demais para alguns papéis, por exemplo.

geena davis susan sarandon

Davis reconhece, entretanto, o movimento que tem tomado conta da "meca do entretenimento": o feminismo.

"O que me dá esperança agora são as jovens – Lena Dunham, Jennifer Lawrence – em Hollywood. Amo todas elas. Amo tudo o que elas estão fazendo; amo quão sinceras elas são."

"Acho que ninguém [naquela época, 1991] teria dito que não havia papéis o suficiente para mulheres, porque isso soaria como uma reclamação."

Sarandon também comentou o assunto.

"Acho que há uma safra de mulheres jovens que estão interessadas em se divertir e ter vidas, mas não estão necessariamente tentando agradar [a todos] o tempo todo – mesmo que elas sejam julgadas frequentemente", contou.

"As Melissa McCarthys, as Amy Poehlers, todas as garotas que estão criando trabalho, sendo engraçadas e independentes."

thelma and louise

Thelma e Louise vivem.

LEIA MAIS:

- Charlie Kaufman sobre falta de diversidade no cinema: 'É um problema sério de nossa sociedade'

- Lilly Wachowski vence prêmio por 'Sense8' e faz discurso sobre transgeneridade

- Segundo Charlize Theron, beleza em Hollywood não garante bons papéis