NOTÍCIAS

Vice-líder do governo Silvio Costa ataca Paulo Skaf e pede que Fiesp prove que 'não rouba' de dinheiro do Sistema S (VÍDEO)

06/04/2016 11:22 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, foi alvo nesta terça-feira (5) de um discurso carregado de ofensas por parte do deputado federal Silvio Costa (PTdoB-PE), um dos vice-líderes do governo na Câmara.

O motivo da ira de Costa seria uma peça publicitária que, de acordo com o parlamentar, teria sido financiada pela Fiesp para expor Costa e outros que prometem votar contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na Casa.

“Eu quero dizer a esse tal de Skaf está tendo um comportamento de canalha. Que ele deve pegar o meu nome e colocar em 100 mil outdoors no Brasil, colocar 200 mil comerciais na televisão, que sabe quantas vezes eu vou mudar o meu voto? Todas as vezes em que ele (Skaf) foi honesto”, discursou Costa.

Ao longo de quase 10 minutos, o deputado governista ainda chamou o presidente da Fiesp – também filiado ao PMDB – de “frustrado” por mais de uma oportunidade e ainda questionou Skaf a respeito dos recursos usados por ele e pela Fiesp para patrocinar eventos e cases publicitários pró-impeachment, como o pato amarelo exposto em várias capitais.

“Ele fez a campanha do pato baseado no layout dele (...). Sabe de onde vem aquele dinheiro para ele trabalhar contra a democracia, ameaçar deputado? Vem do trabalhador”, acusou Costa, dizendo que recursos da ordem de R$ 150 milhões seriam usados pela Fiesp para “administrar aquele prédio da Avenida Paulista”.

“Você nem empresa tem. Você não gera nenhum emprego, nem um real de imposto no Brasil”, continuou o deputado do PTdoB.

Costa ainda criticou uma suposta afirmação de Skaf de que “seria ministro em um governo de Michel Temer”, caso o impeachment de Dilma se confirme. “A próxima vez que o senhor vier fazer lobby, vou lhe botar para fora, seu lobista de meia tigela”.

Logo após a fala do deputado, um parlamentar da oposição, Jair Bolsonaro (PSC-RJ) fez a defesa de Skaf. Além de pedir que as palavras de Costa fossem retiradas das notas taquigráficas, ele elogiou a “classe empresarial que gera impostos” para o atual governo, classificado como “assistencialista”.

“Se o doutor Paulo Skaf quiser visitar este plenário, ele será o meu convidado”, concluiu Bolsonaro.

A reportagem do HuffPost Brasil procurou a assessoria de imprensa da Fiesp para saber se haveria uma resposta aos insultos e alegações de Costa. De acordo com a entidade, "Paulo Skaf não vai responder aos ataques já que ele foi defendido por outros deputados em plenário".

"Deputados gozam de imunidade parlamentar pelas palavras ditas na Tribuna. Confiamos que a população, que conhece a história de cada um saberá fazer seu julgamento", conclui a nota.

LEIA TAMBÉM

- Aliado de Cunha, Paulinho confirma que 'muita gente quer financiar o impeachment' de Dilma

- A 'mortadela' dos atos #ForaDilma é filé mignon pago pela Fiesp

- ASSISTA: Vice-líder do governo deixa PSC e é 'trolado' por Feliciano e Bolsonaro

- Vice-líder do governo chama Cunha de 'arrogante, petulante, ditador e burro'