MULHERES

'Manja Rola': Homem reclama de assédio no Facebook, e as minas DESTROEM o machismo

31/03/2016 16:02 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

O que aconteceria se os homens sofressem assédio todos os dias e em todos os lugares tal como as mulheres?

A página Te Vi No Mackenzie -- que se propõe a postar mensagens anônimas de flerte entre estudantes da Universidade -- publicou na noite desta terça-feira (29) um texto de um estudante reclamando de assédio de homens gays que ele denominou de "manja rolas", no bar MacFil da rua Maria Antonia, em São Paulo, frequentado por estudantes da Universidade Mackenzie.

"Ae rapaziada, vi um post aqui a umas duas semanas falando do "manja rola do fil".Seguinte, tava eu como sempre...

Publicado por Te Vi no Mackenzie em Terça, 29 de março de 2016


Mas o melhor desta postagem (para a surpresa do que se vê na internet) são os comentários!

As mulheres se apropriaram da publicação e comentaram de forma irônica e sarcástica uma série de frases que elas costumeiramente ouvem quando reclamam de assédio ou violências sofridas.

print


A postagem viralizou de tal forma entre os grupos feministas que chegou a mais de 10 mil comentários -- um melhor do que o outro --, 3 mil compartilhamentos e 5 mil curtidas no post do garoto.

minas

print

genial


Depois de toda essa repercussão, na noite de quarta-feira duas mulheres anônimas ainda mandaram recados para os homens que assediam mulheres todos os dias:

"Ae rapaziada, vi o post falando dos "manja rola" e acho interessante compartilhar com vcs.São fatos e não boatos...

Publicado por Te Vi no Mackenzie em Quarta, 30 de março de 2016


"Uma reflexão sobre o incidente do “manja rola” Ok gente, é bem chato esse lance de você estar de boa no banheiro e...

Publicado por Te Vi no Mackenzie em Quarta, 30 de março de 2016


E nós estamos aplaudindo de pé!

LEIA MAIS:

- Vítimas de assédio sexual online têm idade média de 10 anos, diz ONG na CPI dos Crimes Cibernéticos da Câmara

- Metrô de SP tem número recorde de assédios sexuais contra mulheres em 2015, aponta agência

- Chega de #assédionotrabalho!