NOTÍCIAS
28/03/2016 12:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:52 -02

Yursa Mardini, a refugiada que precisou nadar para sobreviver e agora luta por uma vaga na Olimpíada

Alexander Hassenstein via Getty Images
BERLIN, GERMANY - MARCH 09: Yusra Mardini of Syria looks on during a training session at the Wasserfreunde Spandau 04 training pool Olympiapark Berlin on March 9, 2016 in Berlin, Germany. (Photo by Alexander Hassenstein/Getty Images for IOC)

A jovem Yursa Mardini, de 18 anos, luta por uma vaga no time olímpico que será montado apenas com atletas refugiados.

O que já seria uma ação das mais nobres, torna-se ainda maior quando conhecemos a história pessoal da nadadora.

Ela e a irmã, Sarah, fugiram de Damasco em agosto do ano passado. Elas passaram por Líbano e Turquia, onde conseguiram um barco inflável para que fossem até a Grécia, junto a mais 20 pessoas.

Para evitar que o barco onde estavam afundasse, Sarah e Yursa precisaram nadar. Diz ela, em entrevista ao Guardian, que a parte mais difícil foi ajudar os refugiados que não sabiam nadar:

"Seria muito ruim se não ajudássemos as pessoas que estavam conosco, até porque muitas não sabiam nadar. Passei a odiar o mar depois daquele dia", conta.

Foram de três a quatro longas horas de braçadas no mar.

yusra mardini

Após a chegada heroica à Grécia, Yursa foi para a Alemanha, onde vive atualmente. E é lá onde tem treinado para tentar disputar a Olimpíada deste ano, no Rio de Janeiro.

"Quero mostrar que é sempre difícil realizar seus sonhos, mas não é impossível", disse a menina ao site oficial do Comitê Olímpico Internacional.

LEIA TAMBÉM:

- Atleta olímpica quer inspirar mães a amarem o corpo após a gestação

- Para 82%, dinheiro da Olimpíada deveria ser investido de outra forma

- Vale ouro! Rio 2016 terá equipe olímpica formada por atletas refugiados